08 abr 08
blogueira convidada
Dicas de como tornar um hobby em negócio de sucesso
por Andrea


por Cris Paz, blogueira convidada do Superziper

Certa vez, num bate-papo com um consultor de orientação empresarial do Sebrae São Paulo, ele me contou que os negócios nascem, principalmente, a partir de dois pontos: da necessidade ou da visão de oportunidade. Os hobbies encaixam-se no segundo item. Vários indicadores mostram que as chances de sucesso de um empreendedor com este perfil são grandes, pois ele tem profundo conhecimento sobre o mercado que escolheu.

Este argumento é bem verdadeiro, afinal quando escolhemos algo que gostamos, sabemos exatamente o que nos atraiu para aquele hobby. Aí vem a fase que pesquisamos muito sobre o tema, ou seja, viramos grandes conhecedoras do assunto. Só isso já ajuda e muito. Ajuda até a superar algumas dificuldades que possam surgir no caminho do negócio, porque nos sentimos mais confortáveis naquela situação. Mas um alerta, o negócio só tem chance de vingar se tiver carácter estritamente profissional: não vá apenas pelo amor à arte, mas também tenha como objetivo o sucesso financeiro, ai sim suas chances serão realmente boas!

Antes de transformar seu hobby em negócio veja algumas dicas importantes que a Stella Reis Ventura – organizadora da mostra/acessórios, evento de negócios que acontece em São Paulo – destacou para o Superziper:

* Entender o mercado – pesquisar é fundamental e por vários meios: revistas, sites especializados; ver o que a concorrência está apresentando e o que as pessoas estão usando e consumindo; saber o que acontece no setor que seu negócio está inserido.

* Pesquisar materiais, novas tecnologias, antigos materiais vistos por novos ângulos.

* Atualização empresarial – freqüentar cursos, quanto mais informação melhor. O Sebrae tem um cronograma bem vasto de cursos e palestras. São indispensáveis para o empreendedor temas como: lucratividade, ponto de equilíbrio, formação de preço e gestão.

* Criatividade – para aqueles que trabalham com o artesanal com característica local/regional tem que se transformar e buscar uma linguagem universal para atender à demanda do mercado, sem perder sua característica essencial de técnicas e materiais de sua região.

* Organização – o empresário tem que ter uma estrutura mínima. Saber treinar funcionários e delegar para poder crescer.

* Administração – ter noções de administração, saber formar custos e preços, desenvolver uma comunicação com o cliente, trabalhar com metas e objetivos. Por isso a importância dos cursos do Sebrae que citei acima.

* Orientação – procurar órgãos de apoio aos pequenos empresários. Como o próprio Sebrae e entidades como a SUTACO, esta última ligada ao governo do Estado de São Paulo. O processo de cadastramento no órgão até que é simples, mas bem burocrático. Veja as etapas:

– Entrevista: levantamento de dados para compor o perfil do artesão e da atividade artesanal

– Apresentação dos produtos e do fazer artesanal (precisa fazer umas três peças lá ou levar três produtos em fases diferentes, assim eles se certificam que é você mesma que faz seus produtos). Quando eu tirei meu registro de artesã, há um ano e meio, meu avaliador foi um rapaz bem simpátic0. Você já sai com carteirinha e tudo mais!

– Avaliação pela Comissão de Avaliação/Compras

– Emissão da Carteira de Identidade de Artesão e registro no banco de dados.

Com a carteirinha na mão, você pode utilizar os serviços da entidade, como: emissão de nota fiscal, obtenção de microcrédito, cursos e orientação jurídica.

* Profissionalismo – entender que para se tornar um profissional competitivo, tem de abandonar as soluções caseiras. Mas afinal, o que isso quer dizer? Quer dizer que sua marca e você precisam ser profissionais. E isso está num pacote de detalhes: uma embalagem bacana, logo, cartão de visita, um canal de divulgação na Internet (pode ser um blog, Flickr, loja virtual, etc) bem feito, etc. Mas calma, para isso não precisa de um investimento alto. Pelo contrário, com criatividade e muito ralação é possível realizar tudo isso e muito mais.

* Não adianta entrar no mercado com os mesmos produtos e serviços oferecidos pela concorrência, ofereça algo novo ao consumidor.

* Não permita que o lado emocional, do qual o hobby está envolvido diretamente, pese mais no negócio.

* Cuide para não misturar a pessoa física com a jurídica.

No nosso próximo bate-papo apresentarei à vocês o trabalho de uma estilista que valoriza em suas coleções as técnicas das antigas costureiras. Até la !

******************

Também no Superziper: Não perca também as dicas e discussões sobre craft business que estão rolando no grupo do Superziper no Flickr.

10 ZigZags
  1. emy disse:
    08 de Abril de 2008 às 22:31

    Como sempre, achei ótimas todas as dicas e informações! Só quem é crafter entende a barra que é fazer tudo ao mesmo tempo e deixar tudo impecável, com uma boa apresentação, bom atendimento e tudo o mais… mas tudo vale muito, muito a pena! ‘simbora povo, pois tem muita coisa bacana a ser explorada, muito espaço para crescer! bjos

    Responder
  2. 09 de Abril de 2008 às 07:44

    Ontem uma moça do flickr falava comigo sobre o quanto o artesão (artesanato) brasileiro é desvalorizado… de fato.
    Porém penso que quem mais tem que valorizar o artesanato é o próprio artesão.
    Quando comecei a valorizar meu trabalho a coisa começou a dar certo.
    Trabalho hoje só com a Farfalla Gialla, em casa mesmo, com filhos e tudo o mais.
    Acordo me arrumo como se fosse para a “empresa” e mantenho (claro que paro muitas vezes) um horário de trabalho. Termino o expediente, faço o jantar, organizo a casa e vou relaxar fazendo meu hobby: crafters hahahahahh
    Bem o que quero dizer é que estou fazendo o que gosto e isso está sendo o meu trabalho, seriamente.
    Adorei o post Cris!!! Se isso aqui já tava ótimo, agora Santa Barbina!!!
    Vocês sempre assim…inflando a gente de um orgulho enorme de encher a boca para responder ARTESÃO quando nos perguntam sobre nossa ocupação profissional.
    Beijos e deixa eu trabalhar!!!
    Bom dia para todos!!!

    Responder
  3. 09 de Abril de 2008 às 07:44

    Ontem uma moça do flickr falava comigo sobre o quanto o artesão (artesanato) brasileiro é desvalorizado… de fato.
    Porém penso que quem mais tem que valorizar o artesanato é o próprio artesão.
    Quando comecei a valorizar meu trabalho a coisa começou a dar certo.
    Trabalho hoje só com a Farfalla Gialla, em casa mesmo, com filhos e tudo o mais.
    Acordo me arrumo como se fosse para a “empresa” e mantenho (claro que paro muitas vezes) um horário de trabalho. Termino o expediente, faço o jantar, organizo a casa e vou relaxar fazendo meu hobby: crafters hahahahahh
    Bem o que quero dizer é que estou fazendo o que gosto e isso está sendo o meu trabalho, seriamente.
    Adorei o post Cris!!! Se isso aqui já tava ótimo, agora Santa Barbina!!!
    Vocês sempre assim…inflando a gente de um orgulho enorme de encher a boca para responder ARTESÃO quando nos perguntam sobre nossa ocupação profissional.
    Beijos e deixa eu trabalhar!!!
    Bom dia para todos!!!

    Responder
  4. Cristine Cartacho Paz disse:
    09 de Abril de 2008 às 11:36

    Fá, adorei seu exemplo. Você já pensa como empreendedora! E isso é ótimo. Concordo, a valorização tem de partir da gente, não é mesmo? Outro dia, num evento, escutei de uma diretora de uma multinacional um cometário assim oh: “mas vc é jornalista, tem especialização em comunicação empresarial e fica fazendo bonequinhos?… não entendo…”
    Claro que a moça acima não pode entender, o cometário dela não foi por mal, mas é difícil para a pessoa que não tem visão empreendedora entender que a gente pode vencer sem pertencer ao mundo corporativo. Cada um tem suas escolhas. Certo?
    Ah, eu tenho o maior orgulho de mostrar minha carteirinha de artesã!
    Bjs e boa sorte!

    Responder
  5. Anonymous disse:
    02 de julho de 2008 às 00:49

    Eu estava naveganado na net, como sempre, procurando dicas de artesanatos e, por acaso, encontrei esse Blog. Deve ser um presente de Deus e um sinal para que eu não desista. Hoje, pela 1ª vez procurei o Sebrae para saber se vale a pena $investir$ nesse hoby que eu adoro e me tornar uma profissional (mesmo!)e transform´-lo em um trabalho, sério e prazeroso. E agora lendo estas dicas e comentários, estou muito mais animada. Obrigada! Bjs!!!! Emanuella Leal(manuleal@uol.com.br)

    Responder
  6. Anonymous disse:
    02 de julho de 2008 às 00:49

    Eu estava naveganado na net, como sempre, procurando dicas de artesanatos e, por acaso, encontrei esse Blog. Deve ser um presente de Deus e um sinal para que eu não desista. Hoje, pela 1ª vez procurei o Sebrae para saber se vale a pena $investir$ nesse hoby que eu adoro e me tornar uma profissional (mesmo!)e transform´-lo em um trabalho, sério e prazeroso. E agora lendo estas dicas e comentários, estou muito mais animada. Obrigada! Bjs!!!! Emanuella Leal(manuleal@uol.com.br)

    Responder
  7. 18 de Janeiro de 2009 às 13:50

    Cris, todas as suas dicas são extremamente úteis, embasadas no dia a dia real de quem produz e quer comercializar seu artesanato. Acho inspirador você mostrar uma opção de caminho pra nós crafters, por isso você merece todo o sucesso , muita luz e que Deus te abençoe. Muito obrigada pela sua generosidade, e também do Superzíper, que é uma dádiva !

    Responder
  8. 18 de Janeiro de 2009 às 13:50

    Cris, todas as suas dicas são extremamente úteis, embasadas no dia a dia real de quem produz e quer comercializar seu artesanato. Acho inspirador você mostrar uma opção de caminho pra nós crafters, por isso você merece todo o sucesso , muita luz e que Deus te abençoe. Muito obrigada pela sua generosidade, e também do Superzíper, que é uma dádiva !

    Responder
  9. Anonymous disse:
    28 de Março de 2009 às 09:41

    Fico feliz em perceber que não estou sozinha, que tem muita gente boa nesse barco!! Uma pergunta: como fico sabendo sobre feiras pelo Brasil? Existe algum site ou algo assim?? obrigado, à Cris e ao Superzíper, sempre! Bjs

    Responder
  10. Anonymous disse:
    28 de Março de 2009 às 09:41

    Fico feliz em perceber que não estou sozinha, que tem muita gente boa nesse barco!! Uma pergunta: como fico sabendo sobre feiras pelo Brasil? Existe algum site ou algo assim?? obrigado, à Cris e ao Superzíper, sempre! Bjs

    Responder
Deixe seu Comentário

«
»