28 jan 10
outras técnicasoutros bla bla blas
Presentes vindos do Japão
por Andrea

IMG_0054

Semana passada recebi um surpresa vinda do Japão. Tomoko, a prima de Tóquio viu o meu interesse (ou será obssessão ?) pelos paninhos dobrados aqui no blog e mandou um pacote com várias coisas bacanas, entre elas três lindíssimos furoshikis com estampas tradicionais, Made in Japan. Como todo mundo sabe e a gente já falou bastante aqui no blog, o conceito de furoshiki pode ser aplicado a qualquer pedaço de tecido de formato quadrado. Mas ganhar o produto original não deixa de ser uma grande emoção pra mim.
Ela comprou os tecidos na Furoshikiya, uma loja especializada em (olha a redundância): furoshikis. O legal é que com cada pacotinho veio um cartão em inglês explicando o porquê de cada estampa. Adorei isso porque sou curiosa para saber o significado das coisas e se viesse em japonês não ia conseguir entender muito bem.
Foi isso que veio escritos nos cartões, da esquerda para a direita:
* De coelhinhos lunares (Tsukimi Usagui): É um padrão típico de outono (no Japão o outono acontece durante a nossa primavera). Nsta época as pessoas têm o costume de observar a lua para tentar ver a sombra de um coelho passeando por lá. Até as doceiras fazem doces com desenho de coelho para celebrar o festival.
* De flores de ameixa (Shihou Ume): Símbolo da primavera no Japão, este furoshiki tem estampas da flor somente nas bordas. Eu vi as cerejeiras cor de rosa quando estive lá no ano passado. Olhar pra esta estampa agora traz boas lembranças.
* Coloridão com flores e flechas (Yagasuri Chirihana): Yagasuri quer dizer flecha – você vê as flechas no padrão geométrcio do fundo? Não parece ,mas trata-se de uma estampa antiga típica do período Taisho (1912-1926). Esta é uma versão super intrincada, com flores e objetos (tente encontrá-los no meio das flores). Tirei uma foto dele aberto pra vocês verem melhor a beleza da coisa.
IMG_0042
Mais uma fotinha, só porque eu não me aguento, hehe. É que os tecidos vieram tão bem dobrados, com uma perfeição milimétrica que deu muita dó de tirá-los dos saquinhos. Mas depois, como não sou boba nem nada, acabei desembalando todos e testando alguns usos. Vejam só:
O dos coelhos lunares era o menor de todos. Com um nozinho em cada ponta, acabou virou uma capa para caixa de lenço de papel (alguém mais aí ainda fala papel Yes como eu ? ). Afinal, pra que ter de olhar para uma caixa de papel feia quando um tecido e alguns nós te dão a oportunidade únicade transformar algo mundano numa embalagem “arte”? Agora a minha caixa de lenços faz bonito na cabeceira da cama e no lavabo.
IMG_0049
Com o furoshiki florido, que é o mais grandão, fiz uma mochila. Notem que o tecido roxo da alça é um outro furoshiki, são dois lenços amarrados juntos. Quando mostrei esta foto lá no twitter disseram (com razão) que parece um baby sling! Se vocês gostarem da ideia da mochila eu ensino como fazer aqui no blog, ok? É fácil de fazer, mas é necessário dois lenços bem grandes. Acho legal pra levar pra praia e piscina.
IMG_0118
Estas duas ideias eu tirei do livro Gift Wrapping With Textiles, da Shizuko Morita ( já tem na Livraria Cultura). Comprei a versão em inglês, uma mão na roda pra quem não entende Japonês. O livro é bem prático e mostra 42 maneiras de “dobrar paninho”, com PAP, foto, uma beleza. Várias delas a gente já mostrou o PAP aqui no blog mas tem coisas inéditas, como ideias para usar o furoshiki na decoração da casa e também alguns embrulhos para presente bem finos.
***************
Também no Superziper:
Quem disse que é só pra embalagem ? Um lenço molinho pode virar uma flor em 1 minuto. Você é quem manda se vai no pescoço ou no cabelo.
26 jan 10
casa craftinspiraçãonhac
Ideia: Cartazes handmade
por Claudia

Quem acompanha o blog já deve ter percebido que eu tenho mania de tirar foto de quase tudo o que eu vejo. Tudo bem, exagerei, na verdade eu fotografo de tudo que me inspira. Em geral são de pequenos detalhes, a costura colorida de um botão de camisa, um fecho de embalagem, uma estampa diferente e por aí vai. Minha câmera já está toda calejada – descascou nas beiradas e a fitinha de prender no punho, mesmo depois de lavada, nunca mais voltou a ser branca. É que eu levo ela na minha bolsa no dia a dia, de segunda a domingo. E praticamente todo dia eu acho alguma coisa para fotografar, nem penso duas vezes antes de clicar. Não para copiar, mas para me inspirar. Essa foto aí de baixo é um exemplo.

Plaquinha Hello. Plaquinha bem-vindos

Gostei de três coisas nesta foto da esquerda: o tom azul da porta, o número 23 (fonte, cor, detalhe dos preguinhos, contraste) e o cartazinho de “Hello.” colado na parede. Essa era a entrada de um ateliê que visitei em Londres. Achei tão simples e simpático o jeito de receber os convidados que um dia eu haveria de fazer algo parecido.

Gostei tanto que em uma festinha que fiz em casa acabei adotando o conceito cartaz handmade. A foto da direita é a minha versão. Usei cartolina preta, escrevi com giz colorido em cima e preguei com decotape (afinal gente, decotape foi feito pra gastar né)
Torta de atum Torta de legumes

Como eu ando também com mania de lousa, aproveitei a cartolina que sobrou para identificar as comidinhas da festa. Um peixe para torta de atum e a cenoura para a torta de legumes. Fez o maior sucesso, os convidados aprovaram!

Fiquem a vontade para favoritar, twittar e mandar esta ideia por email – afinal esse é jeito web 2.0 de guardar e espalhar as ideias que a gente curtiu.

PS: para quem pediu, aqui vai a receita da torta de liquidificador, uma delícia!

*********************
Também no Superziper: Uma dica ótima para quem usa câmera e outros gadgets tecnológicos e não sabe como organizar aquele emaranhado de fios, carregadores, baterias. A gente mostrou aqui!

20 jan 10
craft tour
Jessie & Buddug, remixando objetos das vovós
por Claudia
Jessie & Buddug Jessie & Buddug

Jessie & Buddug é mais uma lojinha legal de Londres que eu visitei recentemente. Essa também fica na Columbia Road – a tal rua do mercado de flores – mas no andar de cima de outra loja. Poderia passar facilmente desapercebida, mas a pequena porta que dá acesso às escadas está devidamente identificada nos finais de semana. Um vestido bordado diz o nome da loja e faz as vezes de placa “We are Open”.

A loja é de duas amigas, Buddug Humphrey e Jessie Chorley, que por muitos anos costumavam vender seus crafts nos mercados de Londres e que agora conseguiram um cantinho fixo. O horário de funcionamento deve impressionar vocês. Só abre nos finais de semana que é quando existe um grande movimento de pessoas nesta rua. É mais ou menos como se as lojas de uma cidade praiana só abrissem no verão.

Quando estive por lá, encontrei a escocesa Buddug sentada atrás do balcão. Ela estava fazendo um tricô preto com aquelas agulhas bem grossonas. A gente bateu um papo, ela falou dos trabalhos que fazia, eu contei do Superziper e no fim ela liberou que eu tirasse algumas fotos. Nas imagens a seguir vocês podem ter uma ideia do tipo crafts que as duas fazem. É um estilo que eu adoro e é mais comum na Europa do que por aqui: objetos com visual vintage, feito a partir do reaproveitamento de materiais antigos. Chama-se upclycle!

As vezes os objetos estão inteiros ou até despedaçados e ganham frases escritas à mão. O look antigo é reforçado pelos tons rosados e amarelados dos objetos, tudo muito delicado. A loja parece um mergulho na caixa de costura das vovós. Dêem uma espiada.

Jessie & Buddug
Esses eram meio que o carro-chefe da loja. São Livros antigos e de capa dura que foram transformados em diários. Em cada página elas colaram literalmente uma folha em branco em cima do texto original, criando uma espécie de “moleskine” reciclado. Como isso dobra o volume de páginas, para fechar elas customizaram uma fita com botões e capricharam na etiqueta da capa.
Jessie & Buddug Jessie & Buddug

Aqui, um cantinho com roupas vintage customizadas com detalhes. Reparem também no relógio de papel. Na segunda foto, colheres feitas com pedaços de placas esmaltadas e outros materiais – cada uma com sua personalidade. Tudo organizadinho e identificado com etiquetas de papel escritas a mão.

Jessie & Buddug Jessie & Buddug

Aqui era o canto das bijoux onde tem de tudo um pouco. Broches de tecido, anéis feitos com peças de caça-palavras (scrabble), laçarotes floridos, partes recicladas de relógios.

Jessie & Buddug
Estas xícaras antigas foram transformadas em velas. Inspiração para fazer em casa.
Jessie & Buddug Jessie & Buddug

Esses broches à esquerda também são marca registrada – eles são metade reaproveitados e metade escritos à mão em plaquinhas antigas esmaltadas. Os anéis de botões antigos estão meio velhinhos e amarelados mas faz parte do estilo – o cartaz de preço é mais antigo ainda e o texto é de máquina de escrever.

Jessie & Buddug Jessie & Buddug

Uma nota onde elas dizem que, por ser tudo feito à mão, podem personalizar com o nome do cliente.

A última foto mostra a escadaria de acessoa loja, toda enfeitada. Dá para ver mesmo que elas gostam de um toque pessoal – cada espacinho foi decorado bem no estilo delas!PS: Alguém mais notou o kit de agulhas de cestinha de flores que está escondido atrás do cartaz da penúltima foto? Lembranças de infância. Minha mãe e minha avó tinham, lembro da embalagem até hoje.

Em tempo o endereço, para quem for viajar:
Jessie & Buddug
158a Columbia Road, London
E5 8ED
Nota: em cima da loja Marcus and Trump
Website http://www.buddug.com/page2.htm

 

17 jan 10
outras técnicas
PAP: Cabide forrado com tecido (sem costura)
por Andrea

Cabide forrado

Eu super acredito em dar uma organizada geral na casa no começo de ano. Acho que a limpeza e organização ajudam as boas vibrações a entrarem no ambiente. Então desde o ano novo venho dando uma limpa nos armários da cozinha, no canto de costura, lavanderia…Até que, na semana passada, chegou a hora da missão mais difícil : botar ordem no caos que é o meu armário de roupas. Separei muita coisa velha para doar, roupa pra consertar e reciclar e, claro, liberei espaço para peça novas porque não sou boba nem nada, hehe.

Deu muito trabalho mas valeu a pena, estou orgulhosa de mim mesma, gente ! Contei com a ajuda desta série posts sobre organização do armário, do blog Oficina de Estilo – a Fê e a Cris dão dicas super úteis para deixar o armário organizado e funcional para a ‘vida real’. Um post que eu gostei muito foi este, sobre o que se dobra e o que se pendura. Sempre tive dúvidas! Entre outras coisas, elas lembram que existe um cabide apropriado para cada tipo de roupa e que cabide de arame (aqueles finos, que vêm de brinde da tinturaria) é um NÃO NÃO no armário. Ai, pânico ! O meu estava cheio deles. Eles se multiplicaram como Gremlins. Achei que a Faye Dunaway iria aparecer gritando “No wire hangeeeeeers !”como naquela cena do filme Mamãezinha Querida . Mais de depressa dei um cabo nos meus.

Mas e os cabides antigos de metal esmaltado ? Examinei. Eram bons, duros, não dobram de jeito nenhum. Não entram na categoria freebie de tinturaria. Resolvi forrá-los com tecido e usá-los para pendurar blusas de tecido fino e delicado, que escorregam dos cabides de madeira. Minha mãe, que trabalhava em confecção, confirmou: cabides de tecido são perfeitos para pendurar este tipo de peça. Animei.
A boa notícia é que desta vez nem precisei usar agulha e linha, fiz tudo usando apenas três nós de Furoshiki. Fiz assim:
1. Para forrar um cabide de metal firme usei dois lenços de aproximadamente 70X70 cm. Não use seus lenços novos e caros para forrar cabide. Este é um projeto perfeito para aproveitar aqueles lenços velhos/manchados/furados e retalhos quadrados de tecido. E se for de tecido molinho e fino melhor, evite usar tecido grosso de algodão pois fica duro na hora de enrolar.

2. Dobrei um dos lenços como mostra a foto acima, com duas pontas apontando para o meio.

Cabide forrado Cabide forrado
3. Continuei dobrando até formar um tubo de aproximadamente 4 cm de largura. Repeti o mesmo com o outro lenço.

4. Coloquei as pontas dos lenços por trás do topo do cabide, formando um X por trás.
Cabide forrado Cabide forrado
5. Dei um nó básico do furoshiki usando uma ponta de cada lenço. Se você esqueceu como se faz o nó, veja o nosso video.
6. Peguei o lenço e fui enrolando em torno do cabide, dando voltas por toda a lateral direita.
Cabide forrado Cabide forrado
7. Continuei enrolando e parei na metade da parte inferior. Dica: Eu prendi o lenço neste ponto com um pregador de roupa para que não saísse do lugar enquanto eu enrolava o outro lado.
8. Repeti o mesmo processo com o segundo lenço, enrolando no lado esquerdo do cabide, até a metade da parte inferior. (IMPORTANTE: se você enrolou o primeiro lenço no sentido anti horário , enrole o o segundo no sentido horário ou vice versa. Isso irá garantir que o nó ‘segure’ no cabide.)
Dei o nó básico unindo as duas pontas, no meio da parte inferior do cabide.
Cabide forrado Cabide forrado
9. Dei uma torcidinha em cada uma das duas pontas que sobraram – ficou com o formato de uma mini guirlanda.
10. Uni as pontas com mais um nó basico. Esta argola serve para você pendurar cintinhos de tecido, echarpes, etc.

Cabide forrado

11. Quer dar um look mais feminino ao cabide ? Faça um lacinho escondendo as pontinhas do nó do topo por trás do mesmo. Isso é totalmente opcional e não vai interferir na funcionalidade do cabide. Eu fiz, adoro !

* Variação: Se você quiser um cabide sem a argolinha é fácil. Use dois lenços quadrados menores, com aproximadamente 50X 50 cm ou 60X60 cm e pare na etapa 8.
Armário organizado e com cabides lindos é amor.
******************
Também no Superziper: Os cabides de arame mole não são bons para pendurar roupa mas são bem versáteis pra quem curte um faça você mesmo. A gente já tentou mudar completamente a função e usá-los como porta livros/ revistas de parede. Aliás esta ideia foi polêmica, teve gente lá fora que criticou. E vocês o que acharam ? Onde é o melhor lugar para os cabides de arame?
Página 1 de 3123