18 jan 13
inspiraçãooutros bla bla blas
“O mundo de Taizi Harada”, ou a saga de um livro
por Claudia

harada-taizi-artista

Tenho uma boa história que aconteceu em junho do ano passado para contar. É velha, não é atual, alguns vão dizer, mas acredito que boas histórias são atemporais e gostosas de ouvir a qualquer momento. Esta é mais uma daquelas que eu coleciono na pastinha de “coincidências” (pra quem curte, tem uma que contei aqui no Superziper em 2008). E, aliás, é uma boa para marcar esse meu retorno mais constante ao blog. O último ano foi puxado e escrevi pouco, menos do que eu esperava, mas foi o que deu.

Mas vamos lá! No finzinho de 2001, vi no SESI da Av. Paulista uma exposição de quadros tão bonita, mas tão bonita, que tive de voltar mais vezes. Primeiro fui sozinha, depois voltei com a Andrea e na terceira vez levei meus pais. Não cansava de ver as pinturas e reparar nos detalhes, parece que eu precisava estar lá de novo guiando as pessoas queridas e dizendo “e neste aqui, olha aquela menininha voltando feliz da escola para casa!” ou “você reparou nessa vovó trabalhando no quintal?”.

harada-detalhes

A exposição era uma coletânea de mais de cem quadros do pintor japonês Taizi Harada (em alguns lugares, a grafia aparece como Taiji, imagino que seja uma questão de transliteração). A maioria das pinturas eram cenas do Japão rural, mas também tinham algumas do Brasil. No ano anterior ele tinha passado alguns meses aqui no país e retratou alguns lugares como o Rio e Santos em suas telas. Ele compõe o cenário com mini-detalhes, pontilhando os campos, as árvores, os telhados. Olhando de perto, você vê cada lâmina de grama, todas as telhas, as folhas, os pontinhos de neve. Mas são paisagens amplas, com algum personagem em movimento lá no cantinho, fazendo parte da história e chamando a atenção para aquele universo isolado.

loja-doces-favorito

Gostei tanto que guardei com carinho o nome dele e um recorte de revista com a reprodução de uma das telas. Pendurei a imagem no meu quadro de cortiça como quem diz “um dia vou visitar o museu dele no Japão”. De vez em quando olhava o meu recorte e prestava atenção nos detalhes. Era a pintura de uma mulher em uma loja de doces, com suas bandejas de madeira expondo os produtos artesanais. Em volta, poucos enfeites, tudo funcional. Um quadro, um relógio, o papel e o barbante para embrulho.

Quando a Andrea foi para o Japão, tinha até pensado em pedir para ela me trazer um poster dele. Mas pesquisei na internet e achei pouquíssima coisa. Ele tem um museu em sua cidade natal, mas é afastado. Está em japonês e não encontrei o link para a lojinha. Então desencanei. Um dia, quem sabe, quando for para Tokyo, posso dar uma esticada até lá.

(efeito especial para passagem do tempo, anos e anos)

Junho de 2012, preparação para a Mega Artesanal. Nessa edição do evento, o Superziper cuidaria da decoração do quarto de costura da Casa da Mega (vídeo aqui). A Andrea e eu planejamos como imaginávamos o ambiente, desenhamos, rabiscamos e, por fim, fizemos uma listinha de coisas para comprar, preparar e trazer no dia da montagem da feira.

Eu tinha ficado de passar em um brechó para procurar umas roupas para colocar no manequim. Lembrei que na rua de baixo de onde mora tinha um, O Mascate chama. Sempre passava por lá, anos e anos, mas nunca tinha entrado.

Olhei as saias e blusas, procurei algo diferente. Empurrei cabides, mexi em algumas araras, mas estava com preguiça. A vendedora tentou ajudar, queria saber para o que era. Eu estava meio cansada, talvez fosse o calor ou fome. Então arrumei a bolsa no ombro e me virei para sair. No caminho tinha um um criado-mudo com livros empilhados. Movida por algum instinto, me abaixei para ver o que tinha lá e achei um livro do Taizi Harada. O livro tinha me encontrado, pedindo para ser levado para casa!

meu-novo-livro

Fiquei pasma. O livro era japonês, estava bem cuidado, um pouco empoeirado ok. Tinha algumas páginas marcadas com post-it, mas estava inteirinho. Entreguei o livro para a vendedora “hoje não vou levar roupas, só isso aqui”.

Contei a história muito por cima e depois de pagar, o dono do brechó que me atendeu no caixa, falou para eu levar comigo um trevo de quatro folhas que ele cultivava no canteirinho do lado de fora da loja.

FIM!

nursery-rhymes-taizi-harada

Mas já que agora tenho o livro e não me canso de folheá-lo, posso também compartilhar com vocês algumas das pinturas. O título revela que são quadros inspirados em cem canções de ninar antigas. Mas todo o restante do livro está em japonês. Algumas imagens vem acompanhadas de partitura e das letras das músicas. Mas nenhuma indicação do que seria. Então só me resta olhar os desenhos como uma criança que não sabe ler e ficar tentando imaginar o que acontece em cada uma das páginas.

ilustracoes-taizi

Há também algumas poucas ilustrações, lindas por sinal (gamei nesses sapatinhos vermelhos com flores!). Mas a maioria são os quadros mesmo. Separei detalhes de alguns deles, com os personagens que tanto me encantam. Passeiam com cachorros, voltam para casa, se abaixam para pegar florzinhas no caminho, limpam a neve, brincam na água no verão. Aliás, em cada quadro as estações do ano são também um personagem. Me sinto viajando pelo Japão, em um trem lento e antigo, sentada na janela reparando nas pessoas do caminho…

harada-personagens

harada-estacoes

Tô cuidando bem do livro, viu? Coloquei em destaque na prateleira e ganhou um post aqui no Superziper!

livro-taizi-harada

38 ZigZags
  1. liliblueberries disse:
    18 de janeiro de 2013 às 20:11

    olá Clá e Andrea,

    muito bonito o livro.

    desenhos delicados e as imagens levam a imaginação a ir onde você quiser.

    realmente não precisa de tradução ou palavras, as imagens falam por si só e dão asas à imaginação.

    parabéns pela aquisição e que ela sirva de inspiração para vcs. do superziper.

    que vcs. continuem fazendo sempre coisas tão criativas e delicadas.

    bjs.

    liliblueberries

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:06

      pode deixar ;) faremos…

      Responder
  2. Mayah Cruz disse:
    18 de janeiro de 2013 às 20:57

    guria, que post gostoso de ler! primeiro a arte toda desse artista que é incrível e depois essa coincidencia (convenhamos, nunca é) que essa vida maluca as vezes nos presenteia com coisas assim. demais mesmo, adorei o texto.

    beijão :*

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:07

      :) foi um presente mesmo ^___^ q bom que gostou do texto!

      Responder
  3. angela torres disse:
    18 de janeiro de 2013 às 21:33

    q estória mais linda!!! deu até arrepios , eu até vi vc achando o livro!!! amo as ilustrações japonesas, aliás, o Japão é meu sonho de consumo, ainda vou conhecer…..tenho alguns livros japoneses q ganhei numa troca, e fico que nem vc, olhando as figuras q nem criança tentando adivinhar do que estão falando! amei! bjo

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:08

      eu gosto dessa sensação de não entender o que está escrito. com as línguas latinas tem palavras parecidas ou algo que dá para tentar deduzir. livros assim são um mistério, um convite para a imaginação!

      Responder
  4. Helena disse:
    18 de janeiro de 2013 às 22:09

    Linda história! Lindo livro!

    Responder
  5. Neusa Medrado disse:
    18 de janeiro de 2013 às 22:52

    Parabéns pelo sensível e delicado relato. As imagens também são muito bonitas.

    Responder
  6. 18 de janeiro de 2013 às 23:02

    Fascinante!
    Que coisa mais linda! Que delicadeza e riqueza de detalhes!
    Estou encantada!

    Um abraço!

    Responder
  7. Cristine Akemi disse:
    19 de janeiro de 2013 às 12:57

    Oi, Claudia!

    Meu coração disparou agora! Minha ex-professora de japonês tem esse mesmo livro… Acho que mais ou menos em 2001 também uma outra prof., a de artes, viu o livro e pediu emprestado para a prof. de japonês…
    A prof. de artes fez um projeto de cada aluno (que quisesse, acho que não era obrigatório) recriasse uma imagem do livro pintando com tinta acrílica em tela. Lembro que ela xerocou o livro inteirinho, hehe
    Minha mãe tem o quadro que fiz guardado até hoje, vou tirar uma foto e te mandar :)

    Mais uma coincidência para a lista!

    Beijos,
    Cris

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:10

      Nossa Cris, que coincidência (mais uma!!). Sua professora de artes era muito criativa e sensível. Manda a foto sim, quero ver!!

      Responder
  8. Cristina disse:
    19 de janeiro de 2013 às 18:56

    Oi, Cláudia!
    É tão bom quando a gente acha um livro esperado desse jeito! Parece até um presente! O livro é lindo e a história também!
    Beijos!

    Responder
  9. Tatiana disse:
    19 de janeiro de 2013 às 23:03

    Claudia, cê já leu “O Jogo do Anjo” ou “A Sombra do Vento”, do Carlos Ruiz Zafón? Ambos falam de livros e de literatura. Em determinado momento das duas histórias, a gente sabe que alguns personagens ganham o direito de escolher um livro para proteger, e uma “lenda” que existe é de que o livro em questão é que escolhe seu protetor.
    Quando você disse que o seu livro te encontrou, pedindo pra você levá-lo pra casa, associei imediatamente!
    Muito emocionante, porque a sua história com o livro do Taizi Harada, assim como as pinturas dele, é cheia de detalhes muito lindos.

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:05

      Não li, mas gostei da dica, vou procurar! Obrigada :)

      Responder
  10. Gizel disse:
    20 de janeiro de 2013 às 10:53

    que estoria linda e que ilustracoes deliciosas, vou googlar ja.

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:11

      não tem muita coisa online. Procura por Taizi e Taiji Harada.

      Responder
  11. Karina disse:
    20 de janeiro de 2013 às 11:07

    Meu Deus!!!!

    primeiro mencionei a expressão ao ver as imagens dessa pintura.

    Depois novamente ao terminar de ler o post. Que lindo!!!

    Acho realmente que essas coisas não acontecem por acaso e nem nos emocionamos e nos identificamos com algo a toa.

    Mil beijihos,

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:11

      Sim sim! Por isso, mesmo depois de seis meses, quis dividir a história! Bjs

      Responder
  12. Ana disse:
    20 de janeiro de 2013 às 16:30

    Olá e muito obrigada por partilhar esta linda historia e que ilustrações maravilhosas,adorei as cores,a simplicidade
    beijinhos de Portugal

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 13:12

      Bjs do outro lado do oceano!

      Responder
  13. Andrea Riserio disse:
    20 de janeiro de 2013 às 17:58

    Oi Claudia, que linda história! Adorei as imagens, realmente é de se impressionar e nunca mais esquecer… Faz mais ou menos uns 6 meses que descobri o site de vocês, tava afim de aprender a costurar, minha mãe tem máquina, sabe alguma coisa e fui pesquisando na rede para me aprimorar. E meu mundo foi se abrindo para a costura, conheci as Rainhas da Costura, fiz alguns cursos e agora não paro nunca mais! Obrigada por fazerem minha vida mais divertida! Beijos

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 12:45

      Ebaaa, que legal! A gente adora histórias assim :)

      Responder
  14. emy disse:
    21 de janeiro de 2013 às 09:47

    Claudia, uma preciosidade, o livro e sua história com ele! a vida é gentil né!?

    Responder
    • Claudia disse:
      21 de janeiro de 2013 às 12:45

      Esses momentos servem justamente para nos lembrar disso!

      Responder
  15. Lan Succi disse:
    21 de janeiro de 2013 às 13:40

    Ai que post delícia,Claudia.
    Quando criança tinha em casa um livro japonês ou chinês(já faz tempo…rs) de uma garotinha chamada FAN, não sei se ainda tem por lá, mas lendo teu post me lembrei que ficava olhando o livro como você, procurando os detalhes…sempre fiz isso com figuras e imagens em livros, muito gostoso. Vou pra casa da Mamãe hoje, quem sabe ainda está lá…te mostro depois. Vou mostrar o post pra minha amiga pianista e japonesa, quem sabe ela consegue cantar essa música que aparece numa foto. Bjo

    Responder
  16. 21 de janeiro de 2013 às 16:11

    Muito legal, Claudia. Adoro histórias bem contadas.
    Eu acho que quando a gente quer muito uma coisa, de um jeito ou de outro acabamos conseguindo. Foi assim com o teu livro, foi assim comigo com o Grande Livro da Costura.

    Beijos

    Responder
  17. Paula disse:
    22 de janeiro de 2013 às 20:05

    Olá, Claudia!

    Que bela história! Agora mesmo, vendo o seu post fiquei sabendo da existência deste artista de alma maravilhosa!
    Não tenho um livro dele, mas adorei ver cada pedacinho nas pinturas dele, mesmo no Google.
    Obrigada! São essas notícias boas que faz o nosso dia mais feliz!

    Responder
  18. LAURA SARDINHA disse:
    26 de janeiro de 2013 às 12:54

    Vc me fez vajar nesta tua historinha, engraçado que eu vi esta exposição tbem, acho que uma das ultimas que vi, pois estou morando no interior de sp, em itapira e aqui nao tem exposições, para a minha tristeza…enfim…tive a mesma sensação que vc, de levar outras pessoas pra ver a beleza deste artista…. feliz por rever estas obras e acho que guardei o livrinho da exposição…vou procurar. um bjo e espero que um dia vá ao museu dele e nao deixe de nos contar… rs.

    Responder
    • Claudia disse:
      27 de janeiro de 2013 às 16:25

      que legal que você também foi! se um dia eu visitar o museu, trago de volta uma super reportagem :)

      Responder
  19. Fernanda disse:
    04 de fevereiro de 2013 às 17:32

    Lindas ilustrações. Fiu direto no Estante Virtual e vi que tem diversos livros do Taizi disponíveis lá. Já vou encomendar um :)

    Responder
  20. Eveline disse:
    06 de fevereiro de 2013 às 05:23

    Adoro essas coincidências!

    Responder
  21. Marcia disse:
    17 de fevereiro de 2013 às 20:29

    Eu tive igual encantamento quando vi a exposição aqui no Rio, neste mesmo ano. Me marcou para sempre!! Cheguei até seu post porque justamente queria localizar algum livro sobre o artista, quem sabe agora eu consigo, pensei. E não é que me deparo com o seu relato?!! Claro que me identifiquei totalmente e imediatamente!! Boa sorte sempre, Cláudia! Fico com a dica da pesquisa na Estante Virtual. Um abraço!

    Responder
  22. Claudia disse:
    27 de fevereiro de 2013 às 16:39

    Claudia, coincidência mesmo… devido ao post no SuperZiper sobre o sorteio do selo vim “xeretar” o blog e te encontrei… Fantástico esse blog. Adoro tudo o que é manual e artesanatos. Me inspirei de verdade. Me escreva contando as novidades e se vc já terminou seus estudos (rsss….) Bjs

    Responder
  23. Anapaula disse:
    05 de março de 2013 às 16:27

    E por falar em coincidências, não é que eu também fui nessa mesma exposição?
    Foi a última vez que marquei de sair com alguém pelo telefone de casa, porque nem eu nem o meu amigo que foi tínhamos celular nessa época, então o horário e ponto de encontro tinham que ser bem exatos. Hoje temos celular com internet, redes sociais, mas essa exposição foi a última vez que vi meu amigo pessoalmente.
    Obrigada por essa lembrança, vou mostrar esse post pra ele =)

    Responder
  24. Sandra disse:
    11 de março de 2013 às 15:06

    Achei linda sua história de reencontro com o Harada. Aliás, não o conhecia até ler o post. Fiquei tão encantada com as pinturas que não descansei até achar algum livro sobre ele. Com a ajuda do Estante Virtual, localizei um sebo aqui em São Paulo que estava vendendo exatamente este livro, mostrado no post, juntamente com outro menor, em português e japonês, que faz referência direta à exposição realizada n Brasil. Há explicações breves para cada uma das canções populares que inspiraram Harada a fazer as pinturas. Pena não terem traduzido as próprias canções…
    Espero que ele me ajude a me inspirar para alguns projetos futuros; mas desde já ele me toca fundo por lembrar das minhas raízes nipônicas :-)

    Responder
  25. helcio disse:
    20 de abril de 2013 às 17:24
  26. 26 de agosto de 2016 às 00:01

    Claudia, eu fui nessa exposição e tenho um mini poster do Taizi Harada no meu home office até hoje, para servir de inspiração.
    Até hoje me emociono em lembrar dos detalhes das pinturas.
    Sou leitora assídua do blog, desde muito tempo, e foi igualmente emocionante encontrar este post escondido aqui. Obrigada pela história!
    Abraço! Dani

    Responder
Deixe seu Comentário

«
»