29 out 15
nhac
Decoração rápida de Dia das bruxas
por Claudia

Dia das Bruxas

O Dia das Bruxas está chegando e a gente resolveu fazer uma travessura!

Nos EUA, uma das principais tradições é fazer lanternas com abóbora. Aqui, a gente improvisou e usou o conceito em… mexericas. Além de práticas de manipular (são menores), depois ainda dá para comer!

Nesta brincadeira, que também é uma gambiarra, ao invés de cortar a abóbora, vamos desenhar na mexerica. Usamos canetas marcadores permanentes, daquelas que se usa para escrever em CD.

Decoração de Halloween

Mas dá também para fazer com caneta preta esferográfica, tipo Bic (aquela mesma do Enem da semana passada tá valendo!)

Decoração de Halloween

Se a ponta entupir, rabisque em um papel. Vá pintando aos poucos. A dica é primeiro fazer o contorno e depois preencher – principalmente para fazer os dentes da boca.

Decoração de Halloween

Faça uma de cada vez, inventando novos rostos, expressões e  caretas para a sua mexerica. Tem algumas ideias na última foto abaixo. Ou procure na internet por imagens de “abóbora de Halloween” – opções não vão faltar!

Decoração de Halloween

Pronto! A decoração mais fácil e rápida de Dia das Bruxas está feita…

Decoração de Halloween

Boa festa e bom feriado!

Um agradecimento especial à Fernanda Tahamtani pela inspiração ^__^

14 out 15
craft tour
Visita a um banco de tecidos
por Claudia

Banco de Tecido

Você sabia que existe um banco que ao invés de dinheiro trabalha com tecidos? Este é o conceito inovador da loja ‘Banco de Tecido‘, na Vila Leopoldina, em São Paulo.

Antes de fazer um rolê virtual pelo local, vale a pena entender primeiro o conceito, uma criação de Lu Bueno. Atuando como cenógrafa e figurinista, percebeu que havia pouco reaproveitamento de tecidos bons que eram empregados nas produções – seja como sobras, erros, resíduos, etc. Em geral, viravam descarte. Mas ela viu oportunidade e apostou em um modelo que dá sobrevida aos tecidos parados ou descartados, não apenas em teatros e produções de TV, como até na casa de costureiras comuns.

Mas porque banco? Porque a loja aceita tecidos como depósitos ou pagamentos. Em resumo:
1) clientes podem trazer seus tecidos
2) a loja lava, passa, cuida e seleciona o que entrará no banco
3) o material é pesado e para cada quilo depositado o cliente recebe créditos para ‘sacar’ tecidos do local

(mais detalhes sobre a história da loja e funcionamento do banco aqui)

A loja é pequena, mas vale a visita.

Banco de Tecido

Super bem decorada e cheia de detalhes, enchem os olhos de quem visita. Nada como ter uma dona com experiência em cenografia – ambiente bem pensado, boa disposição e funcionalidade, além de detalhes encantadores :) E sim, além de banco, eles também funcionam como loja, vendendo os tecidos do estoque por quilo, mesmo para quem não trouxer os seus em ‘troca’.

Aqui uma visão geral da loja, que fica em um sobrado reformado e ajeitado na Vila Leopoldina. Para quem não conhece o bairro, fica na área do Ceasa e por lá existem vários galpões de produtoras de filmes publicitários, TV, cinema, etc

Banco de Tecido

A maior parte dos tecidos para ficam estocados em caixas transparentes, mas na estante de madeira há pacotes prontos, com combinações de cores e estampas. Útil para quem faz patchwork. Bom presente também, porque estão como tal!

Banco de Tecido

Os tecidos ficam estocados em caixas plásticas transparentes, separados por cor. Nem preciso contar que xeretei todas as caixas, sempre com a ajuda atenciosa de uma funcionária. O pessoal que trabalha lá entende do assunto e pode ajudar a encontrar o que se busca. Aqui, a seleção de estampados.

Banco de Tecido

Nesta foto, as caixas com cores escuras. E nas araras, as roupas em materiais experimentais e figurinos criados pela dona do local.

Banco de Tecido

Dependendo da época, pode-se encontrar tecidos em rolos e em maior quantidade. O estoque está em constante mutação. Claro, vai depender de quem passou por lá antes de você… Na foto abaixo, os pacotinhos de tecidos que combinam entre si e a caixa de aviamentos, fitas e galões.

Banco de Tecido

Levei vários retalhinhos de cores e tipos diferentes. Depois de escolhidos, a seleção vai para a balança e o preço é calculado. Comprei também uma placa de feltro bem grossa para usar na mesa da cozinha como base para passar roupa. A dica foi da Lu Gastal, que compartilhou o achado quando nos encontramos em um bazar de patchwork no meio deste ano.

Banco de Tecido

A balança fica junto de uma placa de metal. Fixada na parede, serve de revestimento e também segura uma infinidade de acessórios, ferramentas, amostras e informações com ímãs de botões :)

Banco de Tecido

Aqui em detalhe. Réguas, compassos, alfinetes, tesouras, estilete, fita métrica – tudo à mão!

Banco de Tecido

Antes de ir embora, não deixe de admirar os quadros de botões feitos pela Lu.

Banco de Tecido

Estão expostos de forma ‘suspensa’, em molduras artesanais, presos por anzóis. Vale a pena apreciar.

Banco de Tecido

A iniciativa está começando a se espalhar. Além da loja em SP, há uma unidade em Curitiba, em funcionamento desde julho de 2015. Clique aqui para saber mais.

Banco de Tecido
Rua Campo Grande, 504, V. Leopoldina
de 2ª a 6ª das 9:30 às 18h
bancodetecido@lupa.art.br
telefone: 11 4371-3283 (falar com Andressa Burgos ou Lu Bueno)
http://bancodetecido.com.br/
https://instagram.com/bancodetecido/

Banco de Tecido