04 dez 15
outros bla bla blas
Crafts na prática
por Claudia

Lixo costurado

Muitas vezes, nesta vida cheia de estímulos e altamente inspiradora, é muito fácil cair na armadilha de querer tudo e não fazer nada. Os americanos têm uma expressão que resume em duas palavras (e que ainda rimam!) essa sensação: analysis paralysis. Vai ser difícil traduzir com a mesma concisão, mas eu arriscaria algo como “de tanto que analisei, paralisei”.

Tenho projetos que anoto no papel, prints que dou no celular do Instagram, fotos que tiro pelas ruas, materiais que compro pensando em algo específico a realizar – todos eles vão se somando na lista mental de coisas que um dia gostaria de fazer.

As vezes isso é desanimador, porque as ideias crescem em ritmo maior do que eu consigo de fato executar.

Mas ontem fiquei feliz, vou contar o que aconteceu.

No meio do ano, estive em Bogotá e em um passeio pelo mercado de Paloquemao vi um lixo costurado. A tampa estava quebrada, mas ao invés de jogar fora, alguém deu uns pontinhos e manteve ela na ativa. Gostei tanto do conceito que (claro) tirei foto e coloquei no Instagram. Ponto parágrafo, aquilo ficou registrado em algum cantinho do meu cérebro.

Ontem, mexendo nas minhas plantas, vi um cachepô de plástico rachado. Provavelmente pelo tempo de exposição no sol e do peso do vaso que estava apoiando. Ia jogar fora, estava feio, sujo e rasgado. Mas lembrei que estava precisando de um baldinho para lixo no meu escritório – inclusive fui em uma loja e quase comprei, mas desisti porque não tinha a cor que queria.

A noite, a palavra lixo passeou pelos meus neurônios e encontrou a informação daquele lixo costurado, visto uns 6 meses atrás. Eureka! Era isso que eu ia fazer.

Lixo costurado

Munida de uma sovela (é o nome técnico desse “furador”) e uma vela, fiz os furos na região da rachadura. E depois passei uma fita em X, da mesma forma que se amarra um cadarço no tênis.

Pronto! Agora tenho um lixo muito chique e único para chamar de meu!

Lixo costurado

7 ZigZags
  1. 04 de dezembro de 2015 às 12:57

    Que máximo! Adorei a ideia. Ficou um charme e muito mais bonito do que o original…rs…

    Beijinhos,
    Ronize Aline

    Responder
  2. Silvia Orchidea disse:
    05 de dezembro de 2015 às 00:27

    E não é que reciclado ficou um bonito diferenciado? Já já copiando!
    Bjks

    Responder
  3. Edith Jardim Pinto disse:
    05 de dezembro de 2015 às 11:35

    e eu que pensei que tinha criado essa técnica…hahaha…fiz isso em um “tapuer” que uso para guardar legumes na geladeira, só que costurei com fio de nylon (desses de pesca) pra não ficar aparecendo. Ficou transparente como a vasilha…hehe…

    Responder
  4. Amanda disse:
    06 de dezembro de 2015 às 19:57

    Olá,
    Acredita q estive conversando com o meu irmão sobre isto esta semana? Meu pai é um acumulador e tenho pavor de “herdar” esta característica – rs (é uma luta diária e exige vigilância constante, por isto este é um dos nossos assuntos preferidos – rs).
    Mudei de apartamento e o guarda roupa não resistiu ao meu jeito inquieto de reposicionar os móveis e quando finalmente decidi desmontá-lo, enxerguei tantas possibilidades de reaproveitamento de algumas peças que tive q consultar meu irmão e minha irmã se este meu novo olhar tinha a ver com a herança que descrevi… Por sorte, eles me tranquilizaram mas deixaram claro para eu não deixar para amanhã e colocar a mão na massa sim!
    Comecei com 3 humildes prateleiras que reaproveitei das tampas das gavetas mas o andamento do projeto em si, é algo gratificante. Tirar a ideia do papel, ir até o depósito de material de construção conversar sobre buchas e parafusos, colocar a furadeira para trabalhar a todo vapor e ver o resultado final é inspirador. Foi muito mais fácil do que eu imaginava e o seu blog sempre foi uma referência e tanto para mim.
    Obrigada!

    Responder
    • Josete Nobre disse:
      06 de Janeiro de 2016 às 00:49

      Amanda, identifiquei-me totalmente com você. :)
      A ideia do guarda-roupa é super genial! Estou com um de seis portas que está me dando dor de cabeças e não consigo desfazer-me dele. Mas sua ideia é maravilhosa! Vou começar o desmonte pelas gavetas. “Ah, como não pensei nisso antes?”
      Obrigada, Deus te abençoe!

      Responder
  5. Lan Succi disse:
    06 de dezembro de 2015 às 23:08

    Minha mãe fez isso a vida inteira. Com n coisas. Na cozinha, lavanderia, jardim…às vezes me irritava de tanto que ela reaproveitava as coisas rs. Ela já entendia o conceito dos 3R. Ficou fofo teu cesto. Bjinho

    Responder
  6. 07 de dezembro de 2015 às 19:29

    Uma ideia fácil e criativa. Gostei! Amo uma dica de reaproveitamento/reciclagem…
    Eu participo de uma blogagem coletiva chamada ‘Um Projeto por mês’ que consiste em na última sexta do mês desengavetarmos algum projeto e tem me ajudado muito a usar o que está guardado, por em prática ideias guardadas para fazer um dia, diminuir a pasta de arquivos de fotos de inspirações salvas…
    Mas as ideias sempre crescem. Rs
    Bjs.

    Responder
Deixe seu Comentário

«
»