29 abr 09
ateliê craftblogueira convidada
A casa crafty da Ana Sinhana
por Andrea

casa crafty da sinhana
por Ana Matusita, da ana sinhana, blogueira convidada*

Já disse e repito: sou uma crafter voyeur-curiosa-novidadeira assumida. Adoro olhar cantinhos das casa alheias e me divirto conferindo blogs de decoração. E prefiro casas reais, porque há muito tempo entendi que casa não é showroom, que há um nível de bagunça aceitável (e até desejável) para manter a harmonia do lar e das relações.
Então, vira e mexe estou no Apartment Therapy, Design Sponge, Decoueração ou pelos grupos do flickr, como o Corners of my Home. Um outro blog com achados baratos e bacanas é o a partir de 1,99, cheio de dicas charmosas. E todos têm em comum a apologia da identidade da casa, conquistada especialmente pelo fazer, ou seja, são repletos de idéias do-it-yourself. Inspiração diária na web vinda dos quatro cantos do planeta é o que não falta!

Mas, dando uma olhadinha nos 10 mandamentos do crafter aqui no superziper, lembrei que tem um que me pega de jeito: 10) não esqueça de cuidar de você. E vou além, não esqueça de cuidar da sua casa, lute contra o velho ditado, “casa de ferreiro, espeto de pau”. Pra quem trabalha com craft, é fácil se esquecer ou postergar aquele mimo pra si mesmo, aquele trato num cantinho especial da morada. O que me faz lembrar de outro ditado: “Enquanto descansa, carrega pedra”. Meu avô, marceneiro de mão cheia, sempre dizia isso porque aproveitava todos os momentos de lazer, assim como todos os pedaços de madeira que achava pela frente, pra fazer algo pra casa ou pros netos. E eu, se não herdei dele o dom da marcenaria, mantenho comigo a mania de criar coisas pro lar sempre que posso.

A cozinha
Há uns meses, ataquei a cozinha de casa, que era cinza e planejadinha desde que nos mudamos pra cá. Troquei os armários sem graça, comprei banquinhos e cadeiras novas, fiz tapetes de crochê, pendurei um poster antigo, colei adesivos nos azulejos, forrei móveis com oleado. E, no final, coloquei à mostra objetos queridos, herdados por mim e pelo marido.

Mas a grande vedete dessa mudança foi um armarinho antigo de madeira, daqueles tipo farmacinha, que encontrei numa loja de móveis usados. Foi amor à primeira vista e o engraçado é que sempre o imaginava pintado de vermelho.

casa crafty da sinhana casa crafty da sinhana
O estado geral do pobrezinho não era dos melhores: estava sem portas, nem prateleiras, nem dobradiças, com uma pintura branca descascada, suja e feia. Os olhares de desdém da família foram cruéis. O importante, nessas horas, é não se abater e manter o olhar no potencial, no que pode vir a ser. E, sem modéstia alguma, depois de pintado, com prateleiras, porta e puxador renovados, ficou lindo meu farmacinha vermelho!

casa crafty da sinhana

O Ateliê
Meu ateliê, que fica numa construção separada do corpo da casa, foi todo feito com o mínimo de gastos e o máximo de reaproveitamento. Reaproveitei portas, pedaços de janela e o que mais foi possível. Afinal, reciclar e reutilizar são atitudes que estão na ordem do dia.

casa crafty da sinhana
O mural de recados da foto acima foi feito com o topo de uma estante velha e escura que desmontei (parte dela virou armário de louça). O topo tinha o formato perfeito para se tornar um mural. Mas, ao invés de usar cortiça, resolvi usar a coleção de rolhas de garrafa daqui de casa que, ao longo dos anos, está ficando imensa (aqui, abro o parênteses pra jurar de pé junto que não incentivo o alcoolismo! mas, se for beber um vinhozinho de vez em quando, guarde a rolha para usar depois). A prateleira em cima do mural foi feita com parte de uma janela antiga que achei na rua.

Já as mesas de corte e das máquinas de costura são placas grossas de mdf aparecem neste post. Elas apoiadas apoiadas em cubos vazados baratinhos, que servem como prateleiras para os aviamentos. Forrei uma das placas com páginas de mangá e a outra com moldes velhos de revista de costura (usei cola branca diluída em água e selei com verniz fosco).
E para o ateliê também fiz um quadrinho de patchwork com moldura antiga:

sinhana8
Enfim, com alguma criatividade dá pra se criar muita coisa bacana pra casa da gente. É só não desanimar, ter paciência e alguma disciplina de fazer um pouquinho por dia!

Outras idéias da web que eu gosto:

1. Quadrinho de porta de entrada da Carol Grilo, homenageando a moradora felina da casa;
2. Parede de espelhos da Rô Vargas. O detalhe charmoso fica por conta da cadeira desenhada à mão;
3. Porta-recados de patchwork da crafter portuguesa Constança Cabral, que saiu na Ikea Family Life.

*************
Também no Superziper: É com este post que a Ana se despede da coluna Blogueira Convidada aqui do Superziper. Ahhhh……
Mas não deixem de conferir os posts bacanérrimos que ela fez aqui, falando de estamparia artesanal e carimbos para tecido. E é claro que ela vai continuar postando coisas lindas no blog dela, o AnaSinhana

16 mar 09
ateliê craft
Ateliê Craft: Ninainvorm ceramics
por Claudia


Corner of my studio

Descobrimos a Nina, suas artes, seu ateliê e sua casa fofa através do Flickr. Mas poderia ter sido também pelo Etsy ou pelo Apartment Therapy, dois outros sites que adoramos e frequentamos sempre. No primeiro ela vende suas peças de cerâmica. No segundo, abriu as portas de sua casa e convidou NY e o mundo para conhecer os detalhes da decoração. Logo vocês vão reparar que ela tem uma queda especial por móveis e objetos vintage. Aliás, ela mesma assume que é uma frequentadora fervorosa de lojas de segunda mão. E as fotos comprovam. A grande diferença da Nina é que além de ter bom gosto ela sabe dosar muito bem a composição para que o ambiente tenha um estilo todo próprio. Além é claro de um talento todo especial para produzir belas fotos.
Com vocês, Nina van de Goor:


Studio e Shelves in my studio, por ninainvorm.

1-Este espaço pertence à: Nina van de Goor, da Ninainvorm ceramics

2- Sites: loja Ninainvorm ceramics e blog Ninainvorm.

3- É daqui que saem: principalmente peças de cerâmica, tanto as feitas à mão como as vintage redecoradas por screenprinting. Também faço colagens de vez em quando.

4- O que não pode faltar: papel, canetas pretas, papel transfer para screenprinting.

5- Objeto querido: Se for no estúdio, minha cadeira Thonet vintage na cor salmão [comentário Superziper: descobrimos que ela A-M-A e coleciona cadeiras, uma revista feminina holandesa fez uma matéria com ela] No resto da casa, é um elefante da Terlenka, usado em propagandas da marca nos anos 50.

6- Última aquisição: Uma luminária flexível, amarela, de mesa.

7- Número de horas passadas por dia: Depende, às vezes algumas horas por dias, as vezes não uso o quarto por dias. No fundo depende de quanto tempo eu tenho para passar com minhas atividades craft.

8- Próximo desafio: Terminar meu curso de silk screen e fazer várias reproduções legais!

9- Nível de bagunça (1 a 10): Isso varia de dia para dia. Eu tento manter um pouco organizado porque tem muita coisa e eu realmente preciso do espaço para trabalhar direito. Então eu diria que é 2 ou 3. Mas quando eu estou trabalhando sem parar por dias, pode chegar a um 8 ou 9!

10- Trilha sonora: Todo o tipo de música que eu gosto. Ultimamente tenho ouvido bastante Matisyahu, Leonard Cohen, Madrugada, Editors. Mas varia de estação pra estação, no verão eu gosto de músicas mais animadas!

Antes de fechar este post, *preciso* mostrar mais duas fotinhos pra vocês: a da coleção de sapatos vermelhos (aaaaaai) e na seqüência, usando o mesmo cenário (a escadinha branca), a coleção de animais fofos. Quero uma casa assim pra mim!


Reinforcement of the red shoe army e Join my little crafters & animals experiment!, por ninainvorm.

Gostou ? Amou ? Confirma as belezas que a Nina cria na lojinha dela no etsy.

************
Também no Superziper: A Emy, do TofuStudio, foi outra que teve a casa compartilhada no Apartmenth Therapy. Mas quem acompanhava o Superziper na época sabe que a gente deu ANTES :-)

24 fev 09
ateliê craft
Ateliê craft: Lucotinha
por Andrea

Ateliê e loja Lucotinha

Esta foto é da loja/ateliê da Lu Cottini, nas montanhas de São Lourenço-MG. Se você olhar atentamente vai reparar que não se trata apenas uma casinha colorida. Viu bem o que está escrito na fachada ? Sim, trata-se de uma antiga parada de trem, a Parada Ramon que corta a fazenda que pertenceu ao bisavô da Lu em 1930. É ai que fica a loja/ateliê da Lu, no melhor estilo eu.quero.morar.numa.parada.de.trem que rola no filme OAgente da Estação. (Se você curte cinema independente corre para assistir este filme. A história é fofa e de quebra, o ator principal é o anão mais bonito do mundo.)

É nesta parada/loja, cercada de verde e plantinhas por todos os lados, que a Lu cria os produtos da sua grife. São roupas , bolsas, acessórios e tapetes cheios de cores e detalhes fofos. Objetos lúdicos, como bem define a Lu. Destaque especial para a coleção de roupas, das quais eu já virei fã e não me canso :)

E agora ao pingue-pongue, para vocês conhecerem um pouco mais sobre a Lu:

Ateliê Lucotinha
1-Este espaço pertence à: Lu Cottini, ou ateliê Lucotinha. Ele fica em uma pequena parada de trem, também é conhecida aqui como “A Paradinha”.

2- Site: www.flickr.com/photos/lucotinha

3- É daqui que saem: O lúdico em forma de roupas, bolsas, tapetes e outros pequenos mimos.

4- O que não pode faltar: Cores, todas elas, nos tecidos, nas linhas, nas tintas…

5- Objeto querido: Seria injusto com minha equipe de mesa (bem grande) e cadeiras (antiguinhas, herdadas dos meus avós) escolher entre eles. E meu manequim então, não
posso viver sem!

6Última aquisição: Um cortador japonês em forma de passarinho, com o bico super afiado. Dizem que ele nasceu para descascar laranjas, mas já ganhou outra função no mundo.

7- Número de horas passadas por dia: Muitas, de manhã até o por do sol. O caso é que o ateliê é aberto ao público. Já as noites são dedicadas ao ateliê que fica em casa.

8- Próximo desafio: Estampar eu mesma os tecidos da coleção. Aliás, procuro quem me ensine a fazer isso !

9- Nível de bagunça (1 a 10): Quase nenhuma, é como se tudo voltasse aos seus lugares sozinho, como em um passe de mágica. Justamente por receber visitas constantes, até a bagunça no ateliê tem direção de arte.

10- Trilha sonora: Beth Gibbons, Petula Clark, Coco Rose, Stereolab, Lali Puna, Tujiko Noriko, Yo La Tengo, Beck…

Gostou ? Confira mais sobre a Lu Cottini e seus crafts lúdicos aqui !

**************
Também no Superziper: No anos passado entramos no ateliê da Vivi Hack a designer querida por trás do Mercado Imaginário. Em constante mutação decorativa, já soubemos que ela andou mudando as cores da parede recentemente. Mas os produtos que saem de lá continuam tão bonitos quanto antes :)

29 set 08
ateliê craftcosturaoutros bla bla blas
Crafiteiras ♥ latinhas
por Andrea

Há tempos atrás li este post da Solange no querido blog Mon Tricot que mostrava o uso de latinhas para guardar apetrechos miúdos de tricô como marcadores, protetores de ponta de agulha e outros . De cara me indentifiquei porque também sou fanzoca de latinhas para armazenar meus badulaques, não só de tricô como de costura em geral. Uma marca de balas que vêm por tradição em latinhas bacanas é a britânica Altoids. Sempre que vejo alguém oferecendo balas da marca já vou logo perguntando “Se você não quiser a latinha , posso ficar com ela ?“. Foi assim ganhei a primeira, há anos atrás da minha atual chefe, que na época não era chefe. Desde então os Altoids viraram para mim sinônimo de bala azeda/forte que vem numa latinha incrível. Hoje sempre que passo pelo duty freenão resisto e acabo comprando alguns Altoids só para guardar latinhas :).
Aqui vai a foto das minhas latinhas, abertas e fechadas:
kansashi 005
kansashi 006

Quatro delas são de Altoids – reparem na variedade de formatos, acho o máximo. A exceção é a azulzinha, no canto inferior à esquerda, que é a mais antiga e, diga-se de passagem, a favorita. Ela veio como brinde há mais de dez anos atrás num pacote daquele chazinho americano Celestial Seasonings. Alguém mais chegou a colecionar estas latinhas na época ? Lembro que havia modelos diferentes, seria legal ver os outros.
Juro que não arrumei o conteúdo das latas para tirar as fotos. Cliquei do jeito que estava, no estilo a vida craft nua e crua. Ainda bem que as latinhas me ajudam a ser organizada.
Então se você também usa latinhas para guardar apetrechos de tricô e costura (ou qualquer outra coisa interessante) já sabe : mostra ! mostra !
((((Ficou encafifada com algum apetrecho que está dentro das latinhas ? Clica nas fotos para ver a descrição do conteúdo :) )))))
***********************************
PS: O tecido de poá vintage ( ou será vintade de poá) veio de Minas Gerais, presentinho especialíssimo da Maria Carolina. Adorei Carola ! Vai virar roupa de boneca logo logo. Muah !

Página 4 de 7Primeira...23456...Última