15 maio 13
casa craftreciclagem
Era uma vez uma cadeira abandonada
por Claudia

Cadeira verde

Um dia cruzei com o meu vizinho, dono de uma lavanderia do bairro. Era a hora certa! Ele ia jogar fora uma cadeira velha de escritório, de madeira, bem antiguinha. Ela já tinha sido amarela um dia, estava descascando, com uns pedaços rachados…. nada que não pudesse ser contornado. Então me ofereci para levá-la para casa. Ele topou claro, ela estava indo para o lixo mesmo!

O projeto todo acabou virando um DIY sobre como pintar uma cadeira antiga com spray, em casa mesmo, gastando bem pouco.  O que vale para uma cadeira poderia valer para uma mesinha, uma baqueta. Gosto muito ver potencial decorativo nas coisas que iriam para o lixo e renová-las, investindo bem pouco.

A preparação

Bom, a cadeira estava um pouco detonada então antes de pintar precisei dar um tapinha básico na estrutura. Parafusei as partes que estavam bambas, coloquei pregos onde faltava, limpei bem todas as superfícies, passei um spray anti-insetos (vai que, né?) e parti para a revitalização.

Cadeira verde

Comecei lixando bem toda a tinta antiga da cadeira. Para melhor fixação da tinta spray, só fazendo isso mesmo. Dá um trabalho, mas vale a pena. Depois, precisa limpar com um pano seco antes de começar a pintura.

Usei tinta em spray que comprei na Galeria do Rock, na rua 24 de março. Lá tem uma ou duas lojas para grafiteiros que vendem tinta em spray em praticamente todas as cores – o preço é bem honesto, cerca de R$ 10,00! Escolhi esse verde antiguinho, achei que combinaria.

A Pintura 

Escolha um lugar bem ventilado para passar o spray. E forre tudo com jornal – desde as laterais até o chão. A tinta do spray se espalha e suja tudo mesmo. Quanto mais jornal, menos problemas depois.

Siga as instruções da embalagem para a pintura. Pra mim foi bem tranquilo, deu para fazer duas boas camadas.

Cadeira verde

A primeira camada sempre é mais fina e superficial, a ideia é dar uma ligeira cobertura. Se você exagerar na tinta, há o risco de escorrer e deixar marcas. A segunda camada vem para cobrir as imperfeições e uniformizar.

Se puder, use luvas – ou coloque um saco plástico nas mãos na hora de usar o spray. Sempre escorre um pouco e a tinta gruda.

Cadeira verde

Toques finais

Ah, os toque finais :) Sempre dá para colocar uma graça a mais, certo? Achei na papelaria perto de casa um estoque mega antigo de decalques. Quem se lembra? Na década de 80, quando estudei o primário, isso era o máximo da modernidade. As ilustrações dos cadernos de estudos sociais eram assim: bandeiras, mapas e Pedro Álvares Cabral sempre existiram em decalques – figuras que, molhadas na água, colavam no papel. Minha mãe também usava decalques de rosas e outros temas mais frufrus para enfeitar os potes de vidro da cozinha. A Cromocart – fábrica brasileira que fazia os decalques – faliu, mas encontrei essas cartelas e deu para me divertir.

Colei o meu decalque do gatinho escritor de cartas no encosto da cadeira. Depois sequei com um papel toalha para remover a umidade. Surpresa! Não é que depois de 30 anos o negócio ainda funciona?

Cadeira verde

Apesar de não ter uma foto “de corpo inteiro” do ANTES, dá para ter uma noção da foto do DEPOIS como ela ficou arrumadinha e pronta para novas aventuras. Quem diria, né?  Uma cadeira abandonada na rua ganhou uma nova vida e ares vintage:).

O que acharam? Alguém já fez algo parecido? Quero saber mais histórias de móveis abandonados que ganharam nova vida.

13 maio 13
outros bla bla blasreciclagem
Pendrive para amantes de vinho
por Claudia

Pendrive & vinho

Fui apresentada a este pendrive feito em casa no jantar na casa de uma amiga. O marido dela adora vinhos (aliás, os dois!) e tem um pé no faça-você-mesmo. Basicamente, ele juntou A+B: reaproveitou um pendrive que ganhou de brinde num destes eventos corporativos com a rolha de um vinho favorito. Ele me explicou que com um alicate desmontou o pendrive original, jogando o plástico de proteção fora. A rolha ele “cavou” com uma faquinha. E depois colou uma peça na outra com Superbonder mesmo. Achei que é uma ótima pedida para o Dia dos Namorados.

Também vou fazer o meu, mas usando uma mini-furadeira. Depois que o Dremel voltou do conserto, ninguém mais me segura!

28 abr 13
fashionreciclagem
Cerejinha de fita grelot (ou fita pompom)
por Claudia

Broche de cerejinha

Ontem a Andrea veio em casa pra gente fazer uma imersão total nos preparativos do Bazar Ógente, que acontece no sábado que vem, dia 4 de maio – uma ótima oportunidade de comprar um presente craft para o Dia das Mães. Além de produzir as peças que vamos vender, também ficamos bolando as embalagens e enfeites.

No meio da nossa bagunça, mostrei para a Andrea esta cerejinha que fiz usando dois pompons de uma fita grelot! Apesar de não termos achado um uso imediato para ela na questão do bazar, achei que valia compartilhar com vocês. (aliás, fiquem de olho no blog esta semana porque vamos mostrar o que vamos vender lá no bazar, tá demais!)

É tão facinha de fazer que quem tiver a fita e cola quente em casa já pode aproveitar o restinho do domingo pra fazer algumas. Olha como eu fiz, muito simples!

Como fazer a cerejinha

A grande sacada é conseguir prender os dois pompons bem próximos um do outro para ficar como um cabinho da cereja. Antes de chegar na cola quente, eu tentei unir costurando e com grampeador. O primeiro método demora (!!) e o segundo fica feinho. A cola quente, aplicada com cuidado, dá certo!

Cerejinhas de fita grelot

Me empolguei e fiz várias! A utilidade? É apenas um enfeite. Fica bonitinho aplicado em cartões, bolsinhas, necessaires, tiaras, etc – a lista vai longe! Eu usei de broche – e como estava sem alfinete de segurança, usei um simples mesmo.

Fica a dica e mãos à obra! Bom domingo.

02 abr 13
fashionreciclagem
PAP em vídeo: Maxi-colar de camiseta
por Claudia

Colar camiseta, video

Olás! Temos hoje mais um post de tutorial de passo-a-passo que começou fotografado e virou vídeo. A Andrea experimentou fazer pela primeira vez um maxi-colar de camiseta no ano passado e ficou ótimo. Aliás, este primeiro colar rodou muito, quem esteve na Mega Artesanal deve ter visto ele por lá no nosso quarto de costura.

Este ano fomos convidadas para mostrar a técnica no UOL só que em video. Com uma camiseta velha – que pode até estar furada e levemente manchada – uma tesoura e linha e agulha você faz todo o serviço. Não há necessidade de máquina de costura, êba.  O resultado final é ótimo! A malha fica molinha e gostosa de usar, sem esquentar demais o pescoço. Na medida certa para o ar fresco outonal aqui em São Paulo.

Confira aqui o vídeo que fizemos para o UOL Estilo.

 
Colar camiseta, video

Link para o vídeo no UOL
Link para o nosso tutorial de 2012

O ideal são camisetas largas e/ou masculinas para ter bastante malha e o colar ficar bem encorpado. Se quiser incrementar o colar básico, fique à vontade. Vale fazer tranças e até misturar malhas de cores diferentes.

Hora de picar todas as camisetas que o marido não usa mais !

Página 5 de 19Primeira...34567...Última