15 fev 14
craft tour
Guia Craft da 25 de Março – parte 1
por Andrea

25_craft

Ah… a Rua 25 de Março, ou apenas 25, para os íntimos! Não há outra igual no mundos virou um endereço amado/odiado pela grande maioria dos das pessoas. Amado porque tem muita coisa boa e barata, principalmente para quem procura materiais artesanais e este é o foco do nosso guia. Odiada porque é sempre super hiper cheia e percorrê-la pode ser uma aventura para os mais desavisados ou quem não curte a multidões.

Então atendendo a pedidos, principalmente de quem não mora em São Paulo, preparamos uma série de posts especiais para você tirar o melhor proveito da sua visita ao Centro mais agitado do país. Esta é a parte 1, vamos bater perna na 25?

guia25_1

Como chegar: A melhor maneira de chegar a 25 é de metrô. Desça na estação São Bento – Linha Azul,  procure a saída da Ladeira Porto Geral. Outra opção seria ir de carro, se precisar comprar coisas pesadas e deixar em algums dos estacionamentos da região. 

Melhor horário: Se você não gosta de multidões chegue cedo. Algumas lojas abrem cedo, a partir das 7h e 8h da manhã. Nem todas as lojas abrem no sábado e poucas abrem no domingo.  Procure evitar ir na 25 nas semanas que antecedem o Carnaval, Natal, e cia. Vá com antecedência.

O que vestir e o que levar: Vá com roupas e sapatos confortáveis. Tome cuidado com as bolsas e carteiras. Sem criar pânico, é sempre bom não bobear em áreas muito cheias onde quer que seja. Se for comprar muita coisa leve uma sacola ou um carrinhos com rodinhas (ou compre um por lá mesmo)  para ajudar no transporte.

guia25_2 cedo.Esta é a Vista Vista da Ladeira Porto Geral logo na saída do metrô.

A região da 25 é, na verdade, formada por várias ruas, além da 25 de Março. Fazem parte do circuito a Ladeira Porto Geral, a Abdo Schain e a Cavelheiro Basilia Jafet, além da 25 de Março propriamente dita.  Tem outras ruas p’roximas mas estas três são as principais e as que concentram a maioria das lojas de materiais para crafts.

guia25_3

Uma das características da região são estes prédios antigos, com galerias e várias lojinhas em cada um dos andares. Quando tiver tempo vale a pena entrar e descobrir novidades. Mas normalmente o que acontece é que as pessoas já vão para a 25 com a visita a uma grande loja em mente para otimizar tempo.

guia_25_bijoux

Este prédio na Ladeira Porto Geral é o meu favorito para peças de bijoux. Em cada andar você descobre muitas lojinhas que vendem peças para montagens e também tem bijous prontas. Nossa dica é subir no elevador vintage até o ultimo andar e ir descendo para passar por todas as lojas.

guia_25_correntes

Algumas lojas que vendem peças só por atacado mas a maioria também faz vendas no varejo a um preço diferente. Estas correntes são da Pink Bijoux, uma das lojas do prédio, que tem uma excelente variedade de peças para montagem.

Pink Bijoux
Ladeira Porto Geral, 106 – Centro, São Paulo
Tel: (11) 3227-4105

guia25_17

Além de bijuterias, a Ladeira Porto Geral também é famosa pelas lojas de adereços e fantasias. Se precisa produzir uma roupa de Carnaval com pouco orçamento ou até uma festa, com certeza vai achar coisas interessantes por estes lojas. Muitos boás, chapéus, máscaras, perucas e enfeites plásticos. Muito gliter, cores, plumas e purpurina.

guia25_16

Brilhos
Ladeira Porto Geral, 121 Sé – São Paulo/SP
Tels.: (11) 3229-2261 / 3311-9482 / 3227-3870

guia_25_finos

Apesar do comércio popular ser o forte da 25, a região também tem suas lojas de tecidos finos. Muita gente vai lá para comprar tecidos para fazer vestido de festa, para noivas ou madrinhas. Estas duas lojas de tecidos finos ficam em prédios meio escondidos por isso podem passar desapercebidas. Procure as plaquinhas e sinalização nas portas para não ter erro!

GJ Tecidos
Ladeira Porto Geral, N° 73 – 1°, 2° E 3° andar (3° andar  exclusivo para noivas) São Paulo/SP
Tel: (11) -3325-0000

Lotex
Rua Varnhagen, 26  – São Paulo/SP

 Tel.: (11) 3326-0900 

guia25_7

Uma das lojinhas que mais frequento na região é a Aviamentos Metrópole, que fica no térreo de uma Galeria na R Abdo Schain (paralela à 25). Apesar do espaço apertado, têm uma boa variedade de matérias de costura, inclusive materiais específicos para patchwork e quilt.  Mas não tem tecidos de algodão mas vendem apenas feltros, mantas para quilt, zíperes, botões, linhas e materiais de costura variados…

Aviamentos Metrópole
Rua Comendador Abdo Schahin, 62 Centro – São Paulo – SP
Tel: (11) 3313-1410

guia25_9

No fundo da mesma Galeria dos Aviamentos Metrópole fica esta loja especializada em botões. Pensou em um botão específico? Com certeza eles terão por lá.  Só não espere achar botões antigos como em armarinhos de bairro, aqui o forte são botões importados. Também trabalham com fivelas, materiais para sutiã, bastidores de bordado e outras miudezas.

Vandir Botões
Rua Com. Abdo Schahim, 62 Lj.07 – Centro – São Paulo – SP
Tel: (011) 3229-6190

guia25_6

Esta outra filial mais ‘chique’ da Aviamentos Metrópole, fica fora da galeria, na própria Abdo Schain. É especializada em tecidos e materiais para patchwork. Tem tecidinhos de algodão importados e é uma opção que abre aos sábados.

Metropole Tecidos
Rua Comendador Abdo Schahin, 52 
Centro – São Paulo – SP
Tel: 11 3313-1410 / 11 3228-1503

guia 25_10

Na Rua 25 de Março, quase na esquina com a ladeira Porto Geral existe uma galeria que vale a visita, a Galeria Comercial.

Esta é a visão da entrada. No térreo você irá encontrar lojas especializadas em tecido para fantasias (não vendem os aderereços prontos, estas você encontra na Ledeira Porto Geral) e uma loja de materiais para bonecos.

Subindo de elevador você encontrará mais um montão de lojas de materiais de artesanato, desde embalagens para lembrancinhas, artigos religiosos e peças para bijuterias até materiais para a confecção de perucas.

guia25_12

Estas duas lojas no térreo da Galeria são especializadas tecidos para fantasias. Muitos tules, brocados, cetins, organzas, feltros estampados e lisos, paetês, brilhos, estampadões e plastificados e cia.

Casa do Tule
Rua 25 de março, nº 641 – São Paulo/SP

Não achei o telefone :(

guia25_11

A Gaivota
R. Vinte e Cinco de Março, 641, sl 5/7 – São Paulo/SP
Fones: (11)3228-4375

guia25_13

Esta loja, no fundo da galeria, é a Puppets, especializada em material para confecção de bonecos e artesanato em geral.

É bem curinga, têm isopores, olhos de vários tamanhos, tecidos para fantasias, miniaturas para apliques, cabeças, fibra para enchimento, mini vazinhos, tintas,  material para biscuit e muito mais.

guia25_15

No fundão da Puppets você encontra ainda esta área de tecidos bem voltado para roupa de bonecos e fantasias. Tecidos sintéticos, bobyleen, tules…Nada muito caro e com cores bem legais.

Puppets
Rua 25 Março, 641 lj 10- São Paulo/SP
Tel: (11) 3311-9306

A bateção de perna deu com fome? Faça uma paradinha rápida. Um lugar clássico e em conta para se comer são os salgados árabes do Raful.

Se estiver com energia para andar um pouco mais dá para ir andando até o Mercadão Municipal.

Raful
R Comendados Abdo Schain, 118 – São Paulo/SP

Tel: 11 3229-8406

Esta primeira parte do Guia 25 de Março Craft fica por aqui. Aguardem a segunda parte com mais achados para fazer a sua visita render.

 

12 fev 14
casa craftcostura
DIY: Bandeirolas decorativas em tecido
por Andrea

band_abre1

Vamos bandeirolar? Aposto que você já viu estas simpáticas bandeirinhas em forma de triângulo colorido por aí.  Apareceram de mansinho e já viraram febre decorativa. São super versáteis pois enfeitam a parede da festinha, o quarto do baby e a casa de muito adulto por aí. Fiz este set em uma tarde, para o quarto de bebê menino de uma amiga e me empolguei. Foi a desculpa  que faltava para  retomar de vez minhas costuras que andavam meio paradas por falta de tempo.

band9

Hoje vou ensinar a fazer a versão costurada, tradicional e mais duradora. Mas se a sua praia não é a costura, invista na versão vapt vupt das bandeirolas. Como? Basta usar cola de tecido no lugar da costura. Não tem desculpa para não fazer. Vamos ver?

band13

A parte mais legal, para mim é escolher os tecidos que vou usar. Ó duvida! Eu prefiro ficar dentro de uma paleta de cores frias ou quentes. Mas regras existem para ser quebradas no mundo do craft, lembrem-se disso ;). Então, tá liberado brincar com a paleta de cores e estampas. Aproveita para usar retalhos de cores interessantes que sobraram de outros projetos. O segredo é pensar em estampas e cores legais para cada ocasião.

Você  vai precisar também  de alguns metros de viés largo, alfinetes e uma tesoura ou cortador circular. E máquina de costura, claro – ou cola de tecido.

band1

Risque um molde em formato de triângulo em um papelão grosso e corte. Para bandeiras com tamanho final de 16 cm de altura X 16 de largura usei um molde com 17cm  de largura X 17 de altura – para uma margem de costura de 0,5 cm. Acho que é um tamanho legal para se usar na decoração mas, fica a seu  critério  bandeirolar em um tamanho maior ou menor.

band2

Para fazer um set de 9 bandeiras dupla face cortei 18 triângulos de tecidos em estampas variadas usando o molde. Se quiser mais comprida é só cortar mais, à vontade!

Faça duas filas com 9 cores de tecido cada, na ordem que quiser montar. Cortei os meus triângulos com um cortador circular e base de corte. Facilita a vida, viu? Mas a boa e velha tesoura de tecido (bem amolada) também faz o serviço.

band3

Agora vá montando pares de bandeirolas na ordem, começando pela direita ou esquerda de ambas as fileiras. Coloque cada par lado direito com direto da estampa e alfinete, para facilitar na hora de costura. Lembre-se que uma boa alfinetarem é o caminho para costura sem suadeira! Faça o mesmo com todos os pares.

band4

Costure as duas laterais, deixando uma margem de 0,5 cm. Deixe a parte superior da bandeira aberta. Repita com todos os pares de bandeiras.

band5

Ainda pelo avesso, corte a potinha de cada bandeira com cuidado, para não pegar na costura. Isso evitará que a sua bandeira fique com um volume na ponta. Queremos bandeirolas pontudinhas :)

band6

Elas foram costuradas do lado avesso, certo? Agora desvire as bandeirolas para o lado direito, acertando bem a ponta com ajuda de um lápis ou palito. Elas ficarão assim meio estufadinhas! Hora de colocar o ferro de passar em ação e passar as costuras bem esticadinhas.

band7

Por fim, pregue as bandeiras no viés. Deixe sobrar bastante viés nas duas laterais no indicio e no final da tira. E na hora de pregar os triângulos pode ser uma bem ao lado da outra ou deixar 2 cm entre cada uma, como eu fiz.

Minha dica é alfinetá-las no viés, para que não se mexam na hora de costurar.

band12

Aqui estão as minhas bandeirolas prontas! Um projeto legal para quem está começando a mexer na máquina de costura. #alfineteévida

band8

E, como falei no início do post, vale fazer a versão express é usar cola de tecido no lugar da costura.

Eu vi gente que pendurou um sininho em cada ponta ou um botão entre uma ou outra. Dá para pirar e inventar coisas diferentes com estes triângulos!

Decida qual é a sua e mãos à obra. Me contem como ficaram as suas bandeirolas!

11 fev 14
piramos nisso
Piramos nisso: arte com botões de Lisa Kokin
por Claudia

Lisa Kokin

Lisa Kokin, de San Francisco, é uma artista plástica que faz de tudo um pouco. Mas me apaixonei mesmo pela série que ela criou com botões lá no início dos anos 2000. Ela criou retratos de família em tamanho gigante, usando milhares de botões presos e tensionados entre si com fios de nylon e arame. A foto acima é da obra “Moment” (2004).

Lisa Kokin

Esta aqui, e as fotos dos detalhes a seguir, são de “Nineteen-Sixty” (2005).

Autoproclamada botonóloga*, apaixonada e colecionadora de botões, escolheu cuidadosamente as peças que compõe esta série. Ela conta que os botões sempre estiveram presentes aqui e ali em suas composições, mas foi nesta série que eles ganharam o papel de destaque e foram usados como matéria prima principal.

No seu site – que vale a pena conhecer porque tem outros trabalhos diferentes – ela explica que a série de botões surgiu no período de introspecção que ela viveu após o falecimento do pai. Ele trabalhava como tapeceiro e na infância Lisa se lembra de ficar brincando na loja com os materiais.

Lisa Kokin

Neste detalhe do rosto dá para ver bem os detalhes, notar a preocupação e cuidado na escolha dos botões e peças, seja obviamente nas cores, mas também nos formatos e texturas.

Gosto que ela descreve isso como “low-tech pixilated composition” :) Identificação total!

Lisa Kokin

No detalhe das pernas dá para ter uma noção do trabalho de composição e proporção das peças. O fio de pérolas aparece nas duas fotos, comparem!

Lisa Kokin

Tive a sorte de ver estas duas obras ao vivo em uma exposição de botões em Paris. Fiquei muito tempo observando estes detalhes, principalmente deste “retrato” composto por mais peças além de botões. Me apaixonei pelos carretéis antigos, a árvore verde estilizada que vinha naquelas das cidades de bloquinhos de madeira, os lápis de cor já apontados até a metade, os dadinhos e peças de jogos de tabuleiro. Ela usou até um disquinho amarelo de plástico. É muito amor!

Identificação total. Aliás, inclusive com o termo botonóloga que ela inventou. Engraçado que recentemente no Instagram a gente postou uma foto de uma caixa cheia de botões e alguém perguntou se existia a palavra “botonólatra”. O que eu acho? Valem as duas… A primeira (com sufixo -logo), vira nome de profissão. Já a segunda (terminando com -latra), vale para todos os adoradores!

05 fev 14
outras técnicasreciclagem
Um carretel para seu fone de ouvido
por Claudia

Fone de ouvido sem bagunça

Adorei essa ideia para organizar os fios dos fones de ouvido! Não foi invenção minha, vi um produto à venda da Fred & Friends, e fui buscar meu carretel para fazer a minha versão! Afinal, costureiras e crafters sempre têm um dando sopa…

Fone de ouvido sem bagunça

A única adaptação que fiz foi usar meu Dremel para fazer um corte em diagonal no plástico, seguindo a mesma lógica que existe para prender a ponta da linha. Para quem não tem uma mini-furadeira em casa, recomendo usar uma serrinha ou aquecer uma chave-de-fenda para derreter o plástico no lugar certo, com a pressão certa. Eu fui bem cuidadosa pra não exagerar na dose e perder o carretel. A cada avanço, eu testava com o fone. Não pode deixar muito apertado também para não estragar o fio!

Fone de ouvido sem bagunça

Por último, como tinha perdido a etiqueta original do carretel, colei um enfeite de papel numa cor próxima da linha. Tentei também com washi tape, tem que experimentar mesmo e ver o que funciona melhor.

Fone de ouvido sem bagunça

E ta-dá, só isso… Meu fone já foi pra bolsa, todo arrumadinho!

Página 20 de 269Primeira...1819202122...Última