03 jun 14
outros bla bla blas
Bordado para crianças
por Claudia

Meu primeiro bordado

Achei uma relíquia em casa estes dias: meu primeiro bordado! Provavelmente também meu primeiro trabalho manual de fato, depois de experiências randômicas com giz de cera em folhas de lixa e colagens misturando com tinta e areia (na minha escola era assim que as crianças passavam o tempo no jardim da infância, pelo menos é o que mais me lembro).

Devo ter feito isso com cinco anos, quando estava no pré-primário. Não me perguntem o equivalente desta série nos dias de hoje, não acompanho mais os nomes novos, e já me sentia uma menina crescida. Lembro que na lista de materiais pedidos antes de começar as aulas tinha isso de levar uma toalhinha para escovar os dentes.

Não sei a ideia de bordar meu nome foi iniciativa da escola, da minha mãe ou minha mesmo (depois eu descubro), mas o resultado final mostra que ninguém escreveu a palavra por baixo para depois eu bordar por cima. Está com cara de que peguei a linha, a agulha e fiz na raça mesmo. A letra U, o texto em queda e a distância da borda denunciam, hehehe. Mas engraçado que me lembro muito da sensação de ter completado a tarefa e de ter ficado muito contente. Que bom ser criança e não ter cobranças de perfeccionismo, né?

Meu primeiro bordado

(aqui uma foto do avesso para quem ficou curioso!)

Que este projeto sirva de inspiração para outras crianças – meninos ou meninas. É simples, fácil e pode servir de iniciação ao craft.

Recomendo a presença de um adulto guiando. Ele pode a passar a linha na agulha, mostrar como dar o nó e ensinar os primeiros pontos. Depois só precisa supervisionar e estimular a tarefa.

Escrever com linha e agulha é legal porque em pouco tempo a criança já vê o resultado, mesmo as que são mais impacientes.

E depois, se a criança pegar gosto, dá para seguir adiante. Coloque mais cores, aumente as frases, faça desenhos e personalize outros tecidos (fronhas, lenços, camisetas). Serve para usar e presentear!

Não tenho filhos, mas acompanhei outras crianças entrando no mundo da costura. Não tem idade, é só começar.

Se você tem alguma experiência, divida com a gente nos comentários.

01 jun 14
outros bla bla blas
Tesoura para cortar tecido
por Claudia

Tesoura para costura

Olhando a foto acima, você saberia dizer o que estas tesouras têm em comum?

(parênteses: este post será óbvio demais para quem trabalha com confecção ou lida com tecidos. Se você tiver alguma informação adicional, será bem-vindo a complementar o texto através dos comentários!)

São todas tesouras para cortar tecido (bem, o título já tinha contado). Para ajudar a visualizar o que as tornam “tesouras de corte”, compare-a ao lado de uma tesoura normal.

Tesoura para costura

Este design diferente tem uma explicação, não é estética, tem um motivo de ter sido desenhada desta forma:
– um anel é maior do que o outro. Serve para colocar dois, três ou quatro dedos e dar mais firmeza à mão ao cortar
– anéis em ângulo. Permite apoiar a tesoura na mesa, facilitando o corte e deixando-o mais preciso
os anéis

Tesoura para costura

Nesta foto dá para ver como ela fica bem apoiada na mesa de corte.

A tesoura grandona de ferro, com anéis pintados de preto, era da confecção do meu pai. Está um pouco enferrujada, mas continua na ativa. Ela é grandona e pesada, ótima para tecidos mais grossos. Dá para cortar colocando quatro dedos dentro do anel. Ela ainda tem um “apêndice” que ajuda a guiar.

A tesoura da esquerda é mais nova e comprei nos EUA. Essa é meu xodó. Custou caro, mas ela corta tecido que nem manteiga. Eu guardo na caixa pra nem pegar pó :-) Dá para ver que é menor do que a outra, o dedinho fica para fora.

Tesoura para costura

Por último, duas dicas de outro para a conservação da sua tesoura favorita:
– Não usar sua tesoura de tecido para cortar papel
– Evitar deixar cair no chão

Bons cortes e boa semana!

28 mai 14
blogueira convidadaoutros bla bla blas
Cadê meu pacote?
por Andrea

marcela-cat
Por Marcela Catunda, blogueira convidada.

Pluralizando minha angústia, onde estarão meus pacotes? Sim. Porque um foi e o outro simplesmente não chegou.
Onde andarão? Como estarão? Quanto custarão?
A encomenda lá perdida e eu … (pausa pra rima pobre)
Nem sei o que é pior, se é esperar por um pacote que não vem nunca ou enviar um pacote que nunca chega. É como ter que escolher entre a cruz e a espada.

De lá pra cá
Será que vai chegar esse ano ou em 2025? É meu dilema pergunta antes de clicar em finalizar quando o pedido é internacional. Haja imposto, haja dólar, haja expectativa. Se a encomenda vier do outro lado do continente então… É preciso estar com o eletrocardiograma em dia.
Meu status? Aguardando há quatro meses uma encomenda. (se sentindo fula da vida) – seguro mais uma vez a pobre rima pobre. Dessa vez quase que me escapa.

De cá pra lá
E enquanto encaro a senha 319 para postar uma encomenda, vou vibrando e desejando que ela chegue bonitinha a seu destinatário. É tudo que eu peço. E por garantia, me asseguro e taco o seguro.

– Por que demora tanto? Será que vai chegar em tempo? – pergunta a paciente cliente.
– Gostaria de poder responder. Com eu gostaria! – respondo sem resposta.

Mas esperar o que será meu é prejuízo lado de cá. Eu me viro, falo em terapia, xingo, exorcizo comendo um Charge, dois… O problema é quando a encomenda vai. Explicar que ela já foi e que de nossa parte foi em tempo, passar o número de rastreio e mais noventa e sete vezes no site dos Correios pra digitar o tal número e sossegar apenas quando a cliente disser “chegou”. Mesmo que esse chegou não seja seguido de mais nada, nem de um boa noite. A culpa da demora não é nossa, mas mesmo sem querer vai pro nosso pacote. E por falar em pacote…

banner_ma

– Deu trinta e cinco reais – diz a moça pesando minha caixinha.
– Dá pra pesar minha preocupação? Não, esquece! Melhor não pesar senão vou ter que vender o carro parado ali no estacionamento do outro lado da rua que já começa com a bandeirada de 12 paus. Soma o seguro e me segura, por favor…

Cara, você já tentou estacionar na porta de um posto dos Correios? Em percentuais, acho que deve ser mais fácil ganhar sozinha na Mega da Virada. Certeza que é.
Tá somando?

Fora a preocupação que não tem preço.
É porque a gente despacha a encomenda pra Minas sabendo que ela pode chegar no Acre ou com sorte em Goiás, que pelo menos faz fronteira com o destino de origem.
Ok! Ok! Ok! Nem sempre é assim. Tem encomenda que a gente mal posta e já chega. Mas existe um Triângulo das Bermudas de Caixas Perdidas que a cada envio eu torço para não cair nem ser jogada.

A gente vai aprendendo a lidar com isso, mas não devia ser assim. A gente devia poder relaxar a cada envio, pegar o carro de volta pra casa escutando Dentro do Coração do Rádio Taxi e pensando tranquilamente no que fazer pro jantar e claro, para a sobremesa :D
E aí, qual o seus status?

Texto e fotos de Marcela Catunda, blogueira convidada.

27 mai 14
outros bla bla blas
E assim foi a oficina de Estamparia DIY
por Andrea

_MG_1144

No último Bazar Ogente realizamos um sonho craft antigo: promover uma oficina de estamparia faça-você-mesmo. Quem nunca pensou em decorar seus próprios tecidos e se libertar das estampas prontas no mercado usando apenas materiais de baixo custo? Foi este o nosso desafio naquela tarde de sexta-feira.

Entre recortes aqui e carimbadas acolá, separamos estes registros para você sentir um gostinho de como foi a tarde!

_MG_0850

_MG_0919

_MG_0931

_MG_0978

_MG_0985

_MG_1077

_MG_1068

_MG_1104

Meninas que participaram, obrigada pela presença e empolgação. A primeira turma é sempre extra especial. Espero que nosso encontro tenha inspirado vocês a explorar o mundo da estamparia carimbeira.

A Kátia, que participou da oficina fez até um post em seu blog Costura, Katia Costura!, contando como foi a experiência. Adoramos !

Até a próxima ;)

Página 22 de 280Primeira...2021222324...Última