28 mai 14
blogueira convidadaoutros bla bla blas
Cadê meu pacote?
por Andrea

marcela-cat
Por Marcela Catunda, blogueira convidada.

Pluralizando minha angústia, onde estarão meus pacotes? Sim. Porque um foi e o outro simplesmente não chegou.
Onde andarão? Como estarão? Quanto custarão?
A encomenda lá perdida e eu … (pausa pra rima pobre)
Nem sei o que é pior, se é esperar por um pacote que não vem nunca ou enviar um pacote que nunca chega. É como ter que escolher entre a cruz e a espada.

De lá pra cá
Será que vai chegar esse ano ou em 2025? É meu dilema pergunta antes de clicar em finalizar quando o pedido é internacional. Haja imposto, haja dólar, haja expectativa. Se a encomenda vier do outro lado do continente então… É preciso estar com o eletrocardiograma em dia.
Meu status? Aguardando há quatro meses uma encomenda. (se sentindo fula da vida) – seguro mais uma vez a pobre rima pobre. Dessa vez quase que me escapa.

De cá pra lá
E enquanto encaro a senha 319 para postar uma encomenda, vou vibrando e desejando que ela chegue bonitinha a seu destinatário. É tudo que eu peço. E por garantia, me asseguro e taco o seguro.

– Por que demora tanto? Será que vai chegar em tempo? – pergunta a paciente cliente.
– Gostaria de poder responder. Com eu gostaria! – respondo sem resposta.

Mas esperar o que será meu é prejuízo lado de cá. Eu me viro, falo em terapia, xingo, exorcizo comendo um Charge, dois… O problema é quando a encomenda vai. Explicar que ela já foi e que de nossa parte foi em tempo, passar o número de rastreio e mais noventa e sete vezes no site dos Correios pra digitar o tal número e sossegar apenas quando a cliente disser “chegou”. Mesmo que esse chegou não seja seguido de mais nada, nem de um boa noite. A culpa da demora não é nossa, mas mesmo sem querer vai pro nosso pacote. E por falar em pacote…

banner_ma

– Deu trinta e cinco reais – diz a moça pesando minha caixinha.
– Dá pra pesar minha preocupação? Não, esquece! Melhor não pesar senão vou ter que vender o carro parado ali no estacionamento do outro lado da rua que já começa com a bandeirada de 12 paus. Soma o seguro e me segura, por favor…

Cara, você já tentou estacionar na porta de um posto dos Correios? Em percentuais, acho que deve ser mais fácil ganhar sozinha na Mega da Virada. Certeza que é.
Tá somando?

Fora a preocupação que não tem preço.
É porque a gente despacha a encomenda pra Minas sabendo que ela pode chegar no Acre ou com sorte em Goiás, que pelo menos faz fronteira com o destino de origem.
Ok! Ok! Ok! Nem sempre é assim. Tem encomenda que a gente mal posta e já chega. Mas existe um Triângulo das Bermudas de Caixas Perdidas que a cada envio eu torço para não cair nem ser jogada.

A gente vai aprendendo a lidar com isso, mas não devia ser assim. A gente devia poder relaxar a cada envio, pegar o carro de volta pra casa escutando Dentro do Coração do Rádio Taxi e pensando tranquilamente no que fazer pro jantar e claro, para a sobremesa :D
E aí, qual o seus status?

Texto e fotos de Marcela Catunda, blogueira convidada.

27 mai 14
outros bla bla blas
E assim foi a oficina de Estamparia DIY
por Andrea

_MG_1144

No último Bazar Ogente realizamos um sonho craft antigo: promover uma oficina de estamparia faça-você-mesmo. Quem nunca pensou em decorar seus próprios tecidos e se libertar das estampas prontas no mercado usando apenas materiais de baixo custo? Foi este o nosso desafio naquela tarde de sexta-feira.

Entre recortes aqui e carimbadas acolá, separamos estes registros para você sentir um gostinho de como foi a tarde!

_MG_0850

_MG_0919

_MG_0931

_MG_0978

_MG_0985

_MG_1077

_MG_1068

_MG_1104

Meninas que participaram, obrigada pela presença e empolgação. A primeira turma é sempre extra especial. Espero que nosso encontro tenha inspirado vocês a explorar o mundo da estamparia carimbeira.

A Kátia, que participou da oficina fez até um post em seu blog Costura, Katia Costura!, contando como foi a experiência. Adoramos !

Até a próxima ;)

26 mai 14
casa crafttricô e crochê
Porta barbante com tampa de crochê
por Andrea

vidro_porta-barbante

Já pensou em reaproveitar embalagens de vidro com formato legal para embelezar sua casa ou o seu ateliê? Nós gostamos tanto de pensar em novos usos para eles que a vida secreta dos potes de vidro já virou tema recorrente aqui no blog. Tantas possibilidades para transformar estas singelos potinhos que acabariam no lixo….

Fique de olho em potes com formato legais que aparecem por aí. Um clássico que já virou cliché, é o pote de geléia Bonne Mamma com sua tampa xadrez. Mas convenhamos, a geléia francesa é cara e já existem outros tão legas quanto e que pesam menos no bolso. Há pouco tempo descobri estas pontinhos de iogurte sem Lactose da Danúbio. Levei, claro, já pensando no que fazer com estas fofuras.

Decidi fazer  porta barbantes para colocar aqueles fios que merecem um lugar especial no ateliê. Ou barbante comum mesmo, para pacote, afinal num display bonito tudo fica mais fofo. O toque craft fica por conta do crochê que cobre as tampinhas e esconde a logomarca. Te mostro como fazer!

IMG_7915

Separe martelo, prego, agulha de crochê e fios coloridos para crochê ou tricô de bebê. Qualquer restinho de lã serve! Lave bem os pote se retire os restos de cola do rótulo. Se não sair com água, uma boa dica é usar removedor.

pote_prego copy

Primeiro fure a tampinha com um prego. Ache o o centro da tampa e marque com uma caneta. Apoie a tampa numa base, usei uma cortiça mas um paninho grosso serviria. Perfure de um lado e dê batidas do outro para assentar rebarbas da tampa, se sobrarem.

croche_tampa copy

Para crochetar a capa da tampinha basta saber fazer ponto baixo e alto! Não há uma receita certa, basta ir corchetando em círculos de acordo com o tamanho da sua tampinha.

Receita, pero no mucho

Comece fazendo 8 correntinhas. Feche formando o círculo central.

Depois com pontos baixos, vá crochetando os círculos  em carreiras ao redor. Vá aumentando o número de pontos baixos a cada carreira de modo a deixar o seu círculo plano. Eu aumentei 1 ponto a cada 2 pontos até a 3 carreira e depois a cada 3 pontos a partir da 4 carreira. Feche sempre cada ferreira com um ponto baixíssimo.

Quando atingir a largura da tampa, faça a borda com pontos altos, diminuindo o número de pontos a cada 3 ou 4 pontos da carreira. Isso fará com que a borda fique menor que o topo da tampa.

tampa final

Como falei não há uma receita precisa para a capa, depende muito to tamanho sua tampa. Fui fazendo, medindo e ajustando conforma necessário. No final fiz uma última carreira de pontos baixos para segurar a borda. Coloque a ‘touquinha’ na tampa.

IMG_7947

IMG_7945

Coloque barbante dentro do seu potinho e puxe o fio pelo furo central.

IMG_7936

Agora, quando precisar, é só puxar se servir!

IMG_7941

Espero que goste da ideias comece a enxergar potencial criativo nos potes de vidro ao redor. Não faz crochê? Tudo bem, pinte a tampa com tinta spray ou decupe com tecido. Potes no lixo nunca mais!

22 mai 14
casa craftcostura
Tecido novo para a cadeira de praia
por Claudia

Cadeira com novo tecido

Este já é o terceiro tecido que a minha cadeira de praia antiguinha está “vestindo”. O primeiro era o original de loja. O segundo foi um xadrez vermelho e branco que escolhi porque era mais bonitinho. O motivo da troca agora foi a ação do tempo. Como a cadeira fica ao ar livre, a lona perdeu a cor, mofou e… rasgou! Não tenho foto do “antes”, mas na primeira foto dá para ver o tecido xadrez gasto e rasgado. Tirei ele cadeira para servir de “molde vivo” para o novo tecido. Ou seja, fiz tudo a olho mesmo.

Este modelo de cadeira – conhecida como “preguiçosa” – era praticamente unanimidade nos anos 70 e comecinho dos 80. A gente levava na praia e era assim que tomávamos sol (os pais, porque eu era criança e sentava na areia mesmo com o baldinho). Cadeira de alumínio e plástico só foram popularizar anos e anos depois.

Cadeira com novo tecido

Marquei as distâncias das dobras e das margens só posicionando o tecido antigo sobre o novo. Depois com um lápis de tecido, risquei os cortes. Eu poderia ter alinhavado o tecido ou marcado com alfinetes as dobras. Mas por ser um tecido grosso, tipo lona, e de fácil manipulação, só dobrei a olho duas vezes e levei direto para a máquina de costura. São costuras retas, então mais fácil ainda. Se o tecido for tingido e tiver verso, lembrar que a costura tem que ser feita para o lado de trás. Cadeira com novo tecido

Um cabo de madeira segura o tecido na estrutura da cadeira. Então antes de costurar esta parte, eu achei melhor simular se cabia e passava direitinho pra depois não ter problemas. Na dúvida, bom checar duas vezes. Cadeira com novo tecido

E ficou assim! O tecido ainda combinou com o azul da porta. Cadeira pronta para ser usada novamente! Nada como um tecido novo… Cadeira com novo tecido

Espero que dure mais alguns anos! Apesar de que esta cadeira não é muito comum, resolvei registrar o passo-a-passo e colocar aqui para servir de inspiração. Muitas vezes a gente ouve histórias de leitores que uma ideia levou a outra, ou que um projeto lembrou de outro esquecido. Que assim seja!

Página 22 de 280Primeira...2021222324...Última