13 set 16
outras técnicasreciclagem
Restauro uma maleta de viagem antiga
por Claudia

mala-restaurada-abre

Neste domingo, dei um pulo na feira do Bixiga. Fui procurar alguém que entendesse de botões e acabei sendo encontrada por esta maletinha antiga. Uma dessas já estava no meu radar, imaginava que seria ótima para guardar novelos, agulhas e material de tricô. O cartaz do preço dizia 10 reais – bom demais pra ser verdade. O ponto é que a parte de dentro estava bem detonada, diferente do exterior que estava mais bem conservado. Levei pra casa com o intuito de restaurar, algo de bom eu conseguiria tirar dela!

mala-antiga-antes-restauro

Nesta foto dá para ver que o tecido estava manchado, sujo e de desfazendo. Optei por arrancar tudo. Como a estrutura estava boa, arrisquei criar um novo revestimento interno. Sem conhecimento, experiência prévia ou pesquisas na internet, fui em frente com o bom senso e os materiais que eu tinha em casa.

materiais-restauro-mala-antiga

• Tecido: eu tinha comprado em uma visita ao Banco de Tecidos. Tive sorte que as cores combinaram com o lado de fora. Além disso este tipo de xadrez combina com uma mala de viagens e o peso do tecido daria um bom acabamento.

• Estrutura: usei papel kraft de alta gramatura para os fundos e EVA para as laterais

• Colas: usei goma arábica para colar o tecido na estrutura e depois essa cola “Shoe Goo” para colar o revestimento na maleta

• Outros: o pincel foi pra espalhar a goma arábica e a fita crepe para reforçar as margens do tecido que dobrei para trás

mala-processo-restauro

O processo foi simples mas levou tempo. Primeiro tirei as medidas do fundo e das laterais. Cortei a cartolina e o EVA com folga de 1 cm por causa das dobras do tecido. Mesmo medindo e testando, deu diferença. Tanto na parte de cima como de baixo faltaram uns 5 cm de contorno. Foi fácil de resolver: cortei e encapei uma plaquinha pequena com o tamanho do buraco e colei. Prendi com pregadores para ajudar a reforçar.

maleta-restaurada-final

Depois de seca, ficou assim – pronta armazenar para novelos e projetos de tricô em andamento. A alça está quase soltando, mas este acerto eu vou deixar para um outro momento, talvez recorrer a ajuda de um sapateiro!

Vale contar que o lado de fora foi limpo primeiro com pano úmido e um pouco de detergente. E depois removedor para as sujeiras e manchas mais difíceis.

Como foi minha primeira vez neste tipo de trabalho, queria saber se mais alguém já fez isso e tem dicas para compartilhar. Deixem comentários abaixo pra todo mundo que passar por aqui aprender mais um pouquinho.

E se alguém conhecer um substituto para a cola “Shoe Goo” seria ótimo! Eu ganhei este tubo de presente e está quase acabando. Tirando o cheio super forte de cola de sapateiro (talvez por conter tolueno na fórmula), ela é excelente e cola muito bem. O que mais eu poderia ter usado?

30 ago 16
craft tour
Mercearia Paraopeba, finalmente visitada!
por Claudia

paraopeba-mercearia-dentro-loja

Há muitos anos, já não me lembro como, assisti no Youtube um mini documentário sobre a Mercearia Paraopeba, em Minas. A história, as crenças e a maneira de trabalhar me marcaram demais. Ainda hoje continuo a me emocionar só ao rever o vídeo, é um lugar muito especial. Dividi o link com amigos, mostrei para mais pessoas e o negócio “grudou” na minha cabeça. Prometi que um dia, sei-lá-quando, visitaria o lugar.

A história Mercearia Paraopeba não é novidade. Foi contada e recontada em vários lugares: apareceu na televisão, foi notícia de jornal e nos dias de hoje é taggeada em fotos do Instagram. Até já recebemos de alguns leitores do blog o tema como sugestão de pauta. Pois é, as pessoas fazem a conexão do lugar com o Superziper – tem muito de artesanal por lá!

Mas mesmo assim resolvi mostrar de novo, porque finalmente consegui fazer a minha tão esperada visita ao negócio mais acolhedor de Minas Gerais <3 Foi um privilégio estar lá e faço questão de contar mais uma vez o que faz da Paraopeba um lugar tão especial

Antes das fotos e da história, sugiro que os que não conhecem a Mercearia Paraopeba assistam primeiro o pequeno vídeo de 7 minutos que comentei:

É emocionante, não?! Que lugar…

Eu estava em BH com uma amiga e tínhamos um dia livre na cidade antes de voltar para SP. Ela me perguntou o que eu gostaria de fazer e, de repente, tive um estalo. Será que aquela mercearia do Youtube ficaria em uma distância viável da capital? Em poucas buscas no celular descobri tudo. A Paraopeba ficava em Itabirito, dava para ir e voltar de ônibus e, o mais importante, estava aberta! Uhuuu, ia dar certo. A viagem durou cerca de 1h30 e foi bem tranquila. Mas eu estava ansiosa!

Chegando na cidade, o motorista recomendou descer no ponto próximo à estação de trem. Pena que circulam apenas trens de carga. Se tivesse trem de passageiros fazendo o trajeto BH-Itabirito seria mais perfeito ainda! A estação não funciona mais no conceito original e foi transformada em ponto de informações turísticas. Aliás, a mercearia foi recomendada como ponto de interesse. Mal sabia a moça que eu estava lá justamente para isso!

paraopeba-itabirito-mg

O lado de fora da Paraopeba já promete: uma infinidade de produtos com um toque artesanal ocupando a fachada de forma funcional. Ok, de certa forma todos esses itens pendurados ajudam na “decoração”. Mas as buchas, vassouras, panelas, gaiolas e cestas estão lá porque aquele é o lugar delas, esperando alguém pedir e comprar.

paraopeba-exterior-itabirito

Do lado de dentro, tem de um tudo, como uma boa mercearia deve ser. Prateleiras cheias até o teto, pacotes pendurados, quase cansa a vista… Mas vale a pena, porque o estoque da casa tinha de tudo. Durante a uma hora em que fiquei lá dentro, entravam clientes sem parar, cada um com alguma necessidade específica e eram sempre atendidos. Tem coador? Tem linha? Tem queijo? Tem chinelo? Tem vela? Tem…. Quase não acreditei quando uma senhora entrou procurando por uma esponja de lavar carro e conseguiu! Ela ainda comentou comigo que o preço era ótimo, metade do que tinha visto no supermercado da rua.

paraopeba-armazem-geral

Variedades a parte, o carro-chefe da mercearia são os alimentos. Fresquinhos e chamativos, eram vendidos por quilo, unidade, pacote, granel… Grãos, verduras, frutas e ovos vindos dos sítios e produtores da região. Tudo arrumado e bem disposto, dá gosto escolher. E mais uma vez, o apelo dos bons preços. Quando estive lá, o feijão estava com preços astronômicos – mas na Paraopeba estava mais baixo do que em SP, quase levei um pacote pra casa.

paraopeba-graos-alimentos

Adorei as cestas gigantes, acondicionando pães, bolos e biscoitos. Detalhe para os polvilhos e roscas de um lado e o clássico limão cravo do outro. Tudo dava água na boca. E isso que eu nem fotografei os queijos…

paraopeba-cestas-tradicionais

Nenê, o vendedor, foi muito simpático e oferecia degustação de quase tudo, ai ai ai! Um petisco atrás do outro: o doce de leite, o queijo, a goiabada, o tempero, o biscoito… Me convenceu a levar várias coisas desse jeito. Que qualidade! E eu tendo que me conter – como levar e carregar tudo de volta? Nas fotos abaixo: goiabada caseira embrulhada na folha de bananeira, doce de laranja com pedaços, doce de leite em barra, doce de leite em pote, tempero caseiro com etiqueta do tipo escolar, mel de diferentes variedades e o famoso sabão preto, feito de cinzas.

paraopeba-goiabada-doce-leite

Fiquei um tempão na loja, olhando cada cantinho, cada prateleira. Aqui fiz uma seleção de fotos dos produtos artesanais que encontrei à venda: tapetes de malha, galinha de crochê para bico de chaleira, brinquedos de criança (quem lembra dessas galinhas bicando milho?!) e casinhas de passarinho.

paraopeba-artesanato-local

E mais: ratoeiras, chinelos de couro, peteca de folha de bananeira, estilingues e apoios de panela.

paraopeba-produtos-tradicionais

A mercearia é antiga mas se modernizou. Criaram agora uma linha de lembrancinhas (os turistas querem, né?) e tem página no Facebook! O coador de café é um ótimo souvenir, tem tudo a ver com o estilo mineiro de ser. Mas eu levei uma marmitinha de goiabada e a deliciosa conserva de alho crocante, que não estão nas fotos.

paraopeba-lembrancas-compras

Me despeço com um brinde da cachaça caseira que também provei por lá, saúde!

Fiz mais um tic na minha lista de lugares no mundo a se conhecer, recomendo :-)

—–

Mercearia Paraopeba
Rua João Pessoa 110, Centro
Itabirito, MG 35450-000
Horário: das 7:30 às 20:00
https://www.facebook.com/MerceariaParaopeba/

28 jul 16
outras técnicas
10 dicas para começar a bordar à máquina
por Andrea

bordado_abre

Quem acompanha o Instagram sabe que eu estou com um novo ‘gadget’ aqui em casa – uma bordadeira Singer Superb EM200. Adepta do bordado manual, nunca tinha me aventurado no mundo do bordado eletrônico. Confesso que bordar a máquina me parecia algo muito mecânico, sem aquele toque autoral e pontos imperfeitos que tanto gosto. Mas depois de ver alguns trabalhos bem legais de customizações e patches feitos à máquina me rendi e resolvi tentar. Resultado? Estou curtindo muito bordar à máquina! É meio que  como costurar à máquina e a mão, um não substitui o outro, cada um tem seu processo e objetivos diferentes. Estou empolgada e conseguindo, aos poucos, resultados bem bacanas. O ganho em produtividade é a melhor coisas pois é uma maneira de conseguir escala para trabalhos que não conseguiria fazer à mão. Estou ainda prendendo bastante sobre bordados eletrônico, na prática, por tentativa e erro e também conto com as dicas que recebi da equipe da Singer que sempre me socorre nos momentos mais tensos – e houveram alguns hehehe.

Descobri que as bordadeiras domésticas são máquinas muito versáteis. Com elas dá para customizar os mais variados projetos, como toalhas, enxoval de bebê, bonecos, fazer bordados decorativos, logotipos e até os famosos patches (apliques) para roupas que recentemente  voltaram à moda. Para quem já costura, acrescentar detalhes bordados aos trabalhos pode ser um ‘plus’ bem legal.

linhas

Listei dez dicas que aprendi na prática e que podem ajudar a quem está pensando em ter uma bordadeira doméstica ou até quem está começando a fazer seus primeiros bordados. Minha experiência até agora foi só com a Superb mas acredito que estas dicas são genéricas valham para quem estiver usando outras bordadeiras domésticas, tá? Vamos as dicas:

1. ELA FAZ TUDO SOZINHA…NÃO, PÉRA: A bordadeira trabalha quase todo o tempo sozinha, porém, algumas partes fundamentais do processo como colocar os tecidos no bastidor certinho, posicioná-los, escolher quais entretelas serão usadas e dar o acabamento manual dependem exclusivamente de você. Portanto quanto mais você usar a máquina com diferentes tipos de projetos mais vai entendê-la.

2. TECIDO SEMPRE ESTICADO: Uma das etapas fundamentais para garantir que seu bordado fique um xuxuzinho é esticar o tecido e entretela muito bem ao posicioná-los bastidor. Você vai trabalhar com no mínimo 2 camadas de tecido grosso portanto, é preciso bastante atenção e paciência para pegar o jeitinho certo de colocá-los no bastidor. O que eu faço para evitar que as camadas de tecido se mexam é alfinetar as laterais.

3. ENTRETELA É TUDO: Usar uma entretela sob o tecido é fundamental! Para bordar malha, lycra ou qualquer outro tecido com elasticidade, a entretela de bordar de gramatura 105 ou 120. Para outros tecidos pode ser usada a entretela 80. É  ela que vai criar uma base firme para que os pontos do desenho fiquem bem definidos e regulares. Depois do bordado pronto, corta-se todo o excesso de entretela do verso com ajuda de uma tesourinha de ponta fina.

4. LINHAS: A linha nacional mais usada para bordar a máquina é 100% poliéster, por ser a mais resistente. Estou usando a SILKO, da Coats, por ser bem forte e ter uma gama enorme de cores – entre elas metalizadas e fios em tons degradés! A linha da bobina (que ficará no verso do tecido) pode ser daquelas mais barats, vendidas em carretéis grandes.

5. HACK DO SAQUINHO: Para bordar em toalhas ou tecidos de pelúcia e felpudos deve-se usar uma entretela hidrossolúvel  esticada por cima do tecido. Ela fará com que a fibra mais alta não se enrosque na agulha. Após o bordados se desfaz ao passar um paninho umedecido com água. Um hack que muita gente faz é substituir a entretela hidrossolúvel por um saquinho plástico, daqueles transparentes e finos, para embalar frutas. Estica-se o saquinho por cima do tecido a ser bordado, prendendo-o junto com os outros no bastidor. Eu já testei algumas vezes e deu supercerto!

6. WE <3 PATCHES:  Dá sim para fazer patches bordados na bordadeira doméstica. Para isso você precisa de desenhos/matrizes de apliqués. Existem prontas para vender ou dá até para criar com o seu desenho. Eles têm um contorno mais grosso para que possam ser recortados e virarem patches.

7. MATRIZES: Os desenhos para bordado se chamam matrizes e as máquinas costumam vir com vários prontos tanto na memória como em pen drives avulsos. É possível comprar matrizes prontas para bordar em sites da web.

8. CRIANDO SUAS MATRIZES: Sim, é possível criar nossos próprios desenhos para bordar. O desenho deve ser primeiramente transformado em traço e depois convertido para um arquivo específico de bordado. Existem no mercado softwares próprios para bordados como o Embird, o Wilcom e outros (todos rodam apenas em PC !). O software da Singer  que vem grátis com a Superb é o PSW que permite fazer alterações de tamanho e conversões para os tipos de arquivo que são aceitos pela máquina. Aviso que os softwares de bordado mais completos são bastante caros. Pesquise antes e converse com quem já tem para achar o que melhor atende a sua necessidade.

10. SÓ A PRÁTICA LEVA A PERFEIÇÃO: Teste, teste, teste seus bordados! A Superb permite diminuir, ampliar, girar desenhos e compor palavras tudo ao toque de tela. Quanto mais você usar a sua máquina mais vai conseguir dominar as funções e o processo fica bem mais simples. Eu, como toda newbie, estraguei muito tecido nos primeiros bordados, seja por posicionar o desenho em lugar errado, esquecer de trocar a cor da linha ou por não esticar direito o tecido/entretela. Faz parte. Já aprendi, sempre que vou usar uma matriz nova pela primeira vez testo antes para não estragar a peça final.

 

Fiz um video bem rápido mostrando a máquina em ação, bordando uma matriz que eu criei e usando o hack do saquinho para bordar em pelúcia.

Neste pouco tempo que comecei a usar a Superb já fiz algumas coisinhas legais: um patch com o logo da produtora do marido, uma almofada de pelúcia bordada para quarto de bebê, toalhas personalizadas para presentear. Tenho ainda muito a aprender. Quero fazer mais patches divertidos, testar bordados com mais coloridos, bordar em tecidos de diferentes texturas….. Muitas possibilidades criativas!

mosaico bordado copy

Descobri que apesar de curtir um bordado modalidade manual, em ritmo lento, com nós franceses feitos um a um também há espaço para um bordado tecnológico, rápido, produtivo, com muito ponto cheio.

Se você também está dando os primeiros passos no bordado eletrônico ou mesmo se já é master suas dicas serão muito bem vindas. Vamos trocar figurinhas?

18 jul 16
fashion
A moda das tesourinhas e outros acessórios
por Claudia

craft-moda-mega-artesanal

Semana passada aconteceu a Mega Artesanal 2016, o maior evento do universo do artesanato (bem, como o próprio nome diz!) que reúne fabricantes, lojas de materiais, artesãos, criadores e interessados em geral.

A gente aproveitou para conferir se o craft está na moda. Veja os flagrantes que fizemos durante a feira e depois deixe um recado nos comentários com a sua opinião! Queremos saber se foi só por lá ou se o craft invadiu as ruas no dia a dia.

moda-craft-pingentes-03

Percebemos que as apaixonadas peloor costura andam com tesourinhas, máquina e dedais no pescoço. Estes pingentes faziam sucesso!

moda-craft-colares-04

Régua e fita métrica também estavam em alta. Será que é uma maneira de ter as medidas sempre à mão?

Na linha de delicadeza, mini bastidor com bordado de flor e colar com flores que imitam renda ou crochê.

moda-craft-gargantilhas-06

Nesta foto, pulseiras de tecido da Lu Gastal, enfeitadas com zíperes e botões. Ao lado, o colar foi feito com micro fuxicos intercalado com contas e miçangas. Perguntei se foi feito por ela mesma, mas a moça disse que comprou, não conseguiria costurar peças tão miúdas assim. Já os dois colares abaixo de crochê e tricô foram criados especialmente para o evento.

moda-craft-roupas-07

Aqui, os manequins viraram estampa da blusinha. E ao lado, a palavra “Saudade” foi bordada em canutilhos pretos.

moda-craft-broches-05

Broches e patches são uma maneira quase instantânea de dar um ar craft ao visual e mostrar para o mundo qual é a sua praia. De novo, as máquinas de costura fazendo sucesso!

moda-craft-acessorios-01

Estes acessórios também chamaram a atenção. Fita de tecido 2 em 1: perfeito para pendurar crachá (na feira) e depois a tesoura (em casa). A alça da camêra fotográfica foi revestida com uma cinto feito artesanalmente em tear. A moça de óculos caprichou na cordinha de apoio: costurou mini flores e joaninhas, feitas com uma base de fuxico. O coração de lã é simples, mas chamou a atenção na bolsa!

moda-craft-bolsas-sapatos-02

Falando em bolsas, para terminar, duas sacolas de tecido, super enfeitadas com apliques, flores, fitas, bordados e botões – ambas feitas pelas donas. Mesmo escondidos, os sapatos super coloridos chamaram a atenção.

As fotos foram uma pequena amostra do que vimos nesta edição de 10 anos da Mega Artesanal. Agora queremos saber de vocês! Se quiserem compartilhar fotos, postem no Facebook ou Instagram e marquem o nosso perfil @superziper para podermos acompanhar!

Página 3 de 29012345...Última