21 abr 12
casa craft
A casa de passarinho que chegou pelo correio
por Claudia

Casa de passarinho: antes-depois

Dia desses, recebi uma notificação dos Correios, pedindo para eu passar na unidade que tem aqui perto de casa para buscar uma encomenda. Nâo tinha feito nenhuma compra, achei até estranho. Chegando lá, era um envelope grande mas achatado, enviado pelos meus amigos de Londres, que conheci na época em que morava lá. Receber surpresas é sempre assim, né? Fiquei imaginando o que poderia encontrar naquele envelopão… Mas nunca pensaria que era uma casa de passarinho!! Não dessas de pendurar na árvore, mas uma super design para enfeitar. Esses meus amigos me conhecem mesmo, sabem do meu amor pelas aves ^__^

Isso não é um post patrocinado, até porque o fabricante é italiano e este produto nem é novidade. No site deles (super desatualizado por sinal), o vídeo que está em destaque é o catálogo da coleção inverno 2010!! Enfim, mas como o conceito é bem interessante, achei que valia a pena dividir.

Casa de passarinho: montagem

Isso me lembrou também daqueles bonequinhos 3D de papel, estilo toy art, que você imprime e monta em casa – do 2D para o 3D. Vocês já devem ter visto vários por aí – só para lembrar de dois casos recentes, o .tio faso, do .marcamaria, fez o calendário monstruoso 2012 para baixar de graça. E tem também os noivinhos de bolo de casamento da Ma Stupm, do colacorelinha, que além de enfeitar, também foram distribuídos no final da festa como lembrancinhas.

Mas voltando……. A diferença é que essa casinha veio impressa em um papel-cartão de gramatura bem alta e os grafismos e estampas são bem diferentes. Além disso, o sistema de montagem é de encaixe – e veio junto um pacote de elásticos para firmar as conexões e impedir de desmontar.

Casa de passarinho: final

Além de pássaros, eles também criaram cabeças de alce fashionistas para pendurar na parede. Aqui embaixo tem um vídeo da empresa mostrando os produtos. Recomendo pelo menos os 30 primeiros segundos – suficiente para entender como funciona e não se cansar com a musiquinha de fundo.

Se alguém souber de algo parecido para vender aqui no Brasil, avisem! Nós gostamos :-)

19 abr 12
outros bla bla blas
Como será a troca craft no Piquenique de Domingo
por Andrea

haberdashery

Algumas pessoas nos perguntaram como é que vai rolar a tal da sessão de troca de materiais no domingo.

Sessão de trocas em grupo é algo novo para nós também então pesquisamos na web como é que estas trocas (chamadas de swap party) são feitas lá fora. Conseguimos algumas informações que nos ajudaram bastante e queremos compartilhar hoje com vocês.

 

O que levar e valor de cada peça:

* Vamos criar uma moeda chamada SZ  e distribuir para quem trouxer itens para trocar.

* Vale levar todo tipo de material para qualquer técnica craft.

Exemplos:
Um novelo inteiro = vale 1 moeda
Um pacote com restos de novelo = vale 1 moeda
Um fat quarter de tecido = vale 1 moeda
Um pacote de retalhos de tecido = vale 1 moeda

* Tenha bom senso, traga itens limpos  em bom estado e somente do universo craft (tecidos, lãs, itens de armarinho, agulhas, etc).

* Vale também trazer livros e revistas do assunto, desde que em bom estado.

* Se levar miudezas, coloque várias em um saquinho. Usem o bom senso, pois 1 botão não valerá 1 moeda ;).

* Não vamos ficar analisando se o produto é importado, se é raro, etc. A regra é 1 contribuição = 1 moeda.

 

Como funcionará a troca:

*  Ao chegar no piquenique cada pessoa  vai receber um vale  no valor de ” 1 moeda”  por item que trouxer.

* Ao entregar seus itens para troca elas já não pertencem a você, eles estarão livres para serem trocados. 

* Todos os itens para troca ficarão expostos em um local determinado para que todos possam olhar.

* Abriremos a sessão de troca por volta das 12h00, assim dará tempo suficiente para todo mundo chegar.

* Na hora que a troca começar cada pessoa poderá trocar “1 moeda” por um item. 

* Se duas pessoas quiserem o mesmo item elas terão que tirar a sorte para decidir quem leva (sugestão : par ou ímpar :P )

 

Lembrem-se que  a máxima é sempre usar o bom senso e se divertir com o troca  troca craft :)

O que acham das regras? Alguma sugestão ?

 

Aproveitem o embalo da nova estação para promover a renovação nos seus cantinhos craft. Olhem para seus materiais sem dó e levem as coisas que andam ocupando espaço para que encontrem novos donos. O desapego não é fácil, mas assim como o craft, compensa.

Agora é só esperar por domingo e pedir para São Pedro não deixar chover ;)

16 abr 12
outras técnicas
Registros de uma oficina de serigrafia
por Claudia

serigrafia

Agora no fim de março tive a oportunidade de aprender serigrafia, ou silk-screen como a técnica também é conhecida.

De forma artesanal, aprendi literalmente desde a montagem da tela até a impressão no papel. A ideia era viabilizar a técnica para pequenas produções, que pudessem ser feitas em casa mesmo, através de adaptações do processo tradicional e com materiais de baixo custo. Só não fizemos a tinta – o resto foi tudo mão na massa :D. O curso foi ministrado por Francisco Martins e André Teixeira do coletivo Azucrina! de BH. Apesar de seguirem uma estética e estilo mais punk-rock, eles têm várias ideias em comum com o estilo superziperiano. No passo-a-passo vocês vão ver.

Vou contar em linhas gerais como é o processo da serigrafia, mais para matar a curiosidade de quem nunca viu e quer saber como é feito. Deixo também o registro de como foi este curso e algumas dicas que aprendi com o pessoal.

Chega de papo e vamos lá!

Serigrafia caseira (1)

Materiais:
• Quadro pronto (ou caixote de madeira + serrote + grampeador de tapeceiro)
• Nylon
• Grampeador de tapeceiro
• Emulsão
• Sensibilizante
• Calha (ou régua, cartão de credito usado para aplicar a emulsão na tela
• Mesa de luz
• Água corrente (torneira, mangueira + borrifador)
• Tinta à base de água)
• Rodo de impressão
• Estopa
• Cândida/água sanitária (para desgravação da tela)
• Papéis variados para impressão

1. Lá na oficina, a gente montou o próprio quadro. Desmontamos caixote de feira e separamos as ripas para serem usadas como moldura. Deixe as madeiras no tamanho que quiser e corte os cantos em 45 graus para fazer as emendas. Com 4 partes você tem um quadrinho!

Serigrafia caseira (2)

2. Prenda os cantos usando grampeador de tapeceiro, não se esqueça de colocar um protetor embaixo. Se a madeira for fina, o grampo pode furar a mesa. Depois, prenda o nylon na madeira grampeando apenas pontos de fixacão em 3 quinas, para o tecido não escapar. Com o nylon posicionado, prenda melhor o tecido em 3 lados colocando os grampos nestes sentidos: —– ou //////, sempre esticando bem.

3. Para o 4o lado, você precisará da ajuda de alguém para puxar bem o tecido (para baixo é o melhor jeito) porque a tela tem que ficar firme como um pandeiro! Repare que o acabamento do quadro é bem simples mesmo, mas é assim que a gente gosta!

Serigrafia caseira (3)

4. Agora é hora de preparar a tela. Faça os próximos passos em um ambiente escuro porque você vai trabalhar com material sensível a luz.

5. Preparando a “cola verde” (ou emulsão): misture a emulsão fotográfica com o sensibilizante na proporção de 10 partes para 1, sem agitar muito para não fazer bolhas.

6. Aplique a solução na tela com a ajuda de um cartão de crédito (ou calha, se voce for pró). Não deixe acumular tinta, tem que ficar uma camada bem fininha.

7. Enquanto seca (pode usar ventilador ou um secador com vento frio para acelerar o processo), prepare seu desenho. A versão final tem que ser feita em um papel transparente (vegetal ou fotolito). Eu desenhei com canetinha preta bem opaca, mas se quiser pode fazer no computador e levar em uma gráfica/xerox para imprimir no papel certo (avise que é para serigrafia que eles vão entender e caprichar no contraste!)

8. Em seguida, “queime” a arte na tela. Nesta oficina, usamos uma mesa de luz (também em sala escura). A arte deve ser colocada sobre o vidro no sentido normal da impressão. Os pesos improvisados em cima da tela são para evitar sombras – a arte deve ter o máximo contato tela e o vidro. O tempo de exposição à luz varia muito. Neste curso, variou de 4 a 5 minutos, mas depende muito das lâmpadas. Vale fazer um teste de calibragem antes.

Serigrafia caseira (4)

9. Para revelar a tela, molhe-a dos dois lados em uma torneira. Use uma mangueira ou um borrifador de plantas para retirar a emulsão das áreas “queimadas”. Nas áreas pretas, a tinta fica mole e descolará da tela com jatos fortes de água. Quando o desenho estiver “transparente”, deixe a tela secando ao sol.

10. Separe as tintas que vai usar. Devem ser adequadas ao tipo de superfície que você pretende imprimir (tinta para papel é diferente de tinta para tecido) e ao tipo de nylon utilizado. Dependendo da quantidade de fios da trama, você vai precisar de uma tinta mais fina ou mais grossa.

11. Separe também acessórios para misturar e aplicar a tinta: espátulas, colheres, vasilhas, pratinhos e cartões de crédito usados.

Serigrafia caseira (5)

12. Deixe a mesa preparada. Em um canto, posicione a pilha de papéis que vai usar na impressão. Deixe também um espaco reservado para colocar as impressões lado a lado sem empilhar enquanto a tinta seca.

13. Coloque a tinta em uma área livre da tela. Posicione a tela sobre o papel e passe a tinta de um lado para o outro com a ajuda do cartão de crédito (ou rodo). Este movimento faz a tinta passar pela parte aberta da trama (seu desenho) e ser aplicada no papel – uma única passagem forte é suficiente.

Dica dos professores: não perca tempo admirando seu trabalho! A tinta seca rápido e pode entupir os “poros” abertos.

14. Faça uma sequência completa de impressão e, quando terminar, lave a tela imediatamente.

15. Deixe as impressões secando totalmente em um varal.

Serigrafia caseira (6)

16. As telas lavadas também precisam secar antes de ser usadas novamente. Depois de seco, você pode trocar a cor da tinta e começar tudo de novo. Vale improvisar e imprimir em cima de outros desenhos, fica muito legal. Fiz varias experiencias com cores e tipos de papeis, olha aí o passarinho do tricot!

17. Guarde a tela limpa e seca para futuras impressões. A “cola verde” não dura para sempre! Depois de um certo número de vezes, começa a se desgastar e o desenho perde a definição. No meu caso, a vida util foi de umas 30 impressões. Claro que tudo vai depender das matérias-primas usadas e também do cuidado nos processos de impressão e lavagem.

Se enjoar do desenho, você pode lavar a tela com cândida/água sanitária e reaproveitar a mesma tela para uma nova arte.

**************

Em resumo é isso! Gostei bastante de fazer tudo mas não sei se na próxima vez vou faria tudo do começo ao fim. O desenho com certeza vai ser meu, mas é bem provável que eu encomende a tela para alguém, até porque eu não tenho mesa de luz em casa.

A parte da impressão gostei de fazer. E curti bastante essa coisa de achar acertos nos erros – o processo leva a descobertas legais.

Se alguém tiver interesse de reproduzir a técnica em casa, aconselho procurar no Google mais informações de cada etapa porque tem alguns detalhamentos que não incluí aqui no post. Além disso, os materiais utilizados variam muito conforme a aplicação. Por exemplo, o tecido de nylon para a tela tem tramas com mais e menos fios, indicados para tipos diferentes de tinta. Quem for comprar material (na Galeria do Rock em SP tem tudo) peça orientação para os vendedores que eles podem ajudar. Mais uma dica dos professores: na galeria do Rock tem gente para fazer qualquer etapa para você! Só cuidado para levar a arte pronta, assim você tem mais controle de que seu desenho não vai circular por engano

Se alguém se interessar em fazer o curso ao vivo, procure por infos no site do IdeaFixa, que organiza as classes. As vagas das próximas turmas estão esgotadas, mas fiquem de olho nas datas das novas turmas. Por sorte, eu consegui um espacinho graças a uma desistência!

Os comentários estão abertos para dúvidas, dicas :).

 

(Agradecimento especial Murilo (Moow) e Azucrina! que gentilmente cederam a maioria das fotos)
12 abr 12
outros bla bla blas
Alguns destaques do concurso de 5 anos
por Claudia

Singer dos 5 Anos do Superziper

 

Antes de mostrar mais alguns dos trabalhos inscritos no concurso de 5 anos que merecem destaque, queremos falar sobre os critérios de seleção dos vencedores, já que surgiram dúvidas nos comentários.

Como em todo concurso cultural, a escolha é subjetiva. Por isso mesmo, decidimos não deixar na mão de apenas uma pessoa e sim de um comitê, que era composto por mim, pela Andrea e pelos representantes da Singer. Analisamos os trabalhos de todos os inscritos e fizemos uma pré-seleção dos melhores. Vale dizer que mesmo entre nós não houve unanimidade, assim a lista final se formou por “pontuação”. Como em um desfile de Carnaval, os trabalhos foram julgados sob vários critérios: criatividade, execução, capricho, originalidade, respeito as regras e até mesmo a forma da apresentação.

O projeto da Cris foi o que pontuou mais alto nestes critérios – por isso levou o prêmio maior. Os demais eram os que tiveram mais pontos na média geral.

Acho que os comentários de vocês são pertinentes e nos levam a pensar que em um próximo concurso podemos fazer diferente, como por exemplo, chamar um leitor para participar da comissão ou até mesmo abrir uma categoria de prêmio para “escolha da audiência”. Enfim, são ideias para uma próxima vez :).

Mais do que dar prêmios, a nossa vontade era soltar um desafio que estimulasse as pessoas a buscar soluções e colocassem a mão na massa para realizar as ideias. E isso a gente viu de monte. Obrigada a todos que participaram, para nós foi muito gratificante ver como o tema proposto gerou tantas ideias diferentes entre si.

Escolhi algumas para comentar aqui hoje, independente do resultado. Vamos lá?

Primeiro, tcharan….. destaque para o 5o elemento do projeto, a madeira, que faz referência aos 5 anos. Parecia uma tarefa simples, mas…… Muitos optaram por incluir a madeira como detalhe, usando botões e outros acessórios. Mas estes projetos foram além e dá para ver que a ideia se desenvolveu ao redor da peça de madeira. E foram bem criativos na hora de buscar o material:

Madeira
.A Vanessa reaproveitou uma caixa de faqueiro e transformou em um grande kit de costura
.A Katia transformou um cabide em uma necessaire de viagem, que pode ser facilmente pendurada
.E a Celeste deu nova vida ao tamanco de madeira

Gostei também das meninas que buscaram galhos de madeira “bruta” para incluir nos projetos. Simples e achonchegante!

Galhos
Projetos da Viviane, Judite e Rafaella

Vale dar destaque também aos projetos que buscaram usos diferentes para o produto final. Este quesito era bem aberto e foi legal ver como as pessoas têm ideias bem diferentes, reparem:

Boas sacadas
. Porta-temperos em caixote de feira da Maria Auguta
. Porta-linhas com um chapeleiro inspirado em Alice no País das Maravilhas do Marco Antonio
. Metro para acompanhar a altura das crianças em forma de dinossauro da Rita

Estes seis projetos capricharam nos detalhes. Gostei muito das sacadas, pequenas diferenças que servem de inspiração!

Detalhes diferentes
. Helena e seu chá de botões e fitas para estimular a criatividade
. Simone e as asas de coruja feitas de fitinhas dobradas
. Melanie e os fuxicos feitos com retalhos de jeans

Enfeites bonitinhos
. Os moranguinhos da Livia
. O coração feito de botões da Larissa
. As notas musicais-costurísticas da Liliane

Com este concurso, descobri que não sou a única maníaca que gosta de pendurar coisas na parede. Apareceram vários projetos muito legais nesta linha, vejam!

Para pendurar
. Monique e seu porta-chaves de madeira rústica.
. Carolina e seu porta-tudo com super design!
. Cristina e seu porta-contas-a-pagar (sempre útil!)

E por último, não precisava, mas a gente agradece a todos que homeagearam o Superziper em suas criações. Foram vários trabalhos, aqui mostro três deles:

Menção ao Superziper
. Mini-ateliê da Thelma
. Bastidor decorado da Michele
. Bolsinha de tecido da Edileny

A galeria com todos os inscritos está aqui, não deixem de conferir!.

Espero que tenham curtido e até o próximo concurso!

Página 60 de 265Primeira...5859606162...Última